Time da NBA desenvolve token para recompensar fãs

Kings Token não terá valor monetário

Primeiro time da NBA a aceitar Bitcoin para pagamento de ingressos e produtos, o Sacramento Kings marca outra cesta de três pontos no mercado crypto: em parceria com a Blockparty, plataforma de venda de ingressos baseada em blockchain, a equipe vai lançar um token para recompensar os fãs.

Chamada de Kings Token, a criptomoeda será pareada a uma plataforma de jogos preditivos, desenvolvida em antecipação à legalização das apostas esportivas na Califórnia – em maio de 2018, a Suprema Corte dos Estados Unidos anulou a restrição federal a esse tipo de aposta.

“Os fãs podem obter esses pontos, colocá-los em suas carteiras e fazer tudo na plataforma blockchain”, explica Ryan Montoya, diretor de tecnologia dos Kings.

O Sacramento Kings é a primeira equipe esportiva profissional dos Estados Unidos a desenvolver um token para recompensar os fãs. O lançamento está previsto para a noite de abertura da temporada 2019-2020, em 25 de outubro.

De acordo com Shiv Madan, CEO da Blockparty, a empresa está montando um estudo de caso sobre o projeto, na esperança de que ele seja compartilhado com outros times da NBA, caso seja considerado um sucesso.

“Em nossa opinião, o blockchain tem um papel em toda a experiência do evento. Seja um jogo de esportes, um festival de música ou um show da Broadway”, diz Vladislav Ginzburg, diretor de desenvolvimento da Blockparty.

O Kings Token vai existir em uma carteira de tokens adicionada ao aplicativo Golden 1 Center, que rastreia o engajamento e os pontos acumulados dos fãs do Sacramento Kings. Será possível ganhar recompensas por meio da plataforma de jogos preditivos e resgatar esses pontos para ter acesso a eventos exclusivos, mercadorias assinadas ou ingressos na quadra, por exemplo.

O token ERC-20 será executado no Ethereum, mas, a princípio, só poderá ser utilizado na Golden 1 Center, a arena do Sacramento Kings. Embora os fãs não consigam trocar o token por outra moeda ou ter uma chave privada, eles poderão apresentar um QR Code para resgatar pontos e ver a confirmação de transações por meio de um explorador de blocos.

“É uma história de adoção em massa. Quarenta e um jogos de 20 mil pessoas – vamos dizer que muitas delas não tenham crypto. De repente, baixando o aplicativo Golden 1 Center, eles terão uma carteira ERC-20 com um token ERC-20”, conta Vladislav Ginzburg.

Segundo Ginzburg, em iterações futuras os usuários poderão transferir tokens para seus pares e ganhar recompensas ao comer em restaurantes próximos ou chegar ao jogo antes do tip-off.

Equipe tecnológica

Para o Sacramento Kings, o token para recompensar os fãs é apenas a mais recente incursão em blockchain. A equipe de Sacramento está localizada a 160 quilômetros a nordeste de San Francisco, uma das cidades onde fica o Vale do Silício, meca da alta tecnologia.

Em 2014, os Kings passaram a aceitar Bitcoin como pagamento em sua arena. Em 2018, se tornaram o primeiro time esportivo profissional a minerar criptomoedas, criando um programa chamado MiningForGood, que doa fundos para instituições de caridade.

* Imagem de Olivier Girard por Pixabay
Fonte: CoinDesk

Foto de Simone Gondim
Foto de Simone Gondim O autor:

Jornalista, revisora e roteirista, apaixonada por tecnologia e especializada em conteúdo.

https://www.instagram.com