Turquia lidera o Oriente Médio em Bitcoin enquanto lira turca desliza

Ainda assim, a Turquia está longe de ser um dos países com maior adoção do Bitcoin em nível mundial

A Turquia lidera os países do Oriente Médio no comércio de Bitcoin, em parte devido à volatilidade da lira turca, de acordo com um relatório do setor publicado esta semana.

O país é responsável pelo maior volume de transações na região e ocupa o 29º lugar globalmente na adoção de criptomoedas, de acordo com o relatório de geografia de criptomoeda de 2020 publicado pela Chainalysis. Irã e Egito vêm em seguida, ocupando a 52ª e a 64ª posição, respectivamente.

“A lira tem estado extremamente volátil nos últimos anos, o que levou alguns a transferirem partes de suas economias para criptomoedas”, disseca Chainalysis.

De longe, a negociação mais comum na BtcTurk, uma plataforma turca líder, era vender a lira turca por Bitcoin, seguida por vários pares de lira e outras criptomoedas, conforme informou a exchange.

A lira da Turquia caiu para sucessivas mínimas recordes desde a crise cambial no verão de 2018. Caiu para uma nova baixa de todos os tempos de 7,66 por dólar na terça-feira, tendo perdas este ano para 22 por cento. A queda ocorreu no momento em que o banco central gastou dezenas de bilhões de dólares de suas reservas cambiais neste ano para defender o valor da moeda.

A Turquia também é uma exceção quando se trata da adoção popular do Bitcoin, que permanece baixa em outros países da região, disse a Chainalysis.

As exchanges locais turcas PARiBU e BtcTurk são significativamente ativas na região, respondendo pelo 4º e 6º, respectivamente, em volume, com quase todos provenientes de usuários turcos, de acordo com a Chainalysis.

A Turquia não tem regulamentações sobre criptomoedas, mas isso parece que vai mudar. O regulador do mercado de capitais do país pretende finalmente promulgar regulamentações depois de começar a observar e relatar o mercado de criptomoedas em janeiro.

O país também tem a maior adoção pré-existente de fintech móvel e plataformas de pagamentos no Oriente Médio, disse a Chainalysis. Ela citou um relatório do banco holandês ING mostrando que 56% dos turcos haviam usado tais plataformas contra 33% dos europeus. Isso provavelmente tornou a transição para criptomoedas mais natural para os consumidores turcos.

Fonte: Ahval News

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.