Twitter está testando recurso que restringe quem pode responder aos tweets

Especialistas apontam que o novo recurso do Twitter pode representar uma possível violação da Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos

Em janeiro, o Twitter anunciou que iria introduzir uma nova ferramenta que permitiria aos usuários selecionar quem pode responder aos seus tweets. Agora, a empresa está testando o recurso com um “grupo limitado de pessoas em todo o mundo” no Android, iOS e no aplicativo da web.

O uso do recurso apresenta algumas opções ao postar um tweet: mantendo a configuração padrão atual de permitir que alguém responda, permitindo apenas que os seguidores respondam ou permitindo apenas que os mencionados respondam. Ao escolher a última opção e não mencionar ninguém, os usuários estão desativando efetivamente todas as respostas.

“Testando, testando …

Uma nova maneira de ter uma conversa exatamente com quem você deseja. Estamos começando com uma pequena porcentagem em todo o mundo. Portanto, não deixe de vê-lo em ação.”

A alteração foi projetada para solucionar o problema dos “trolla” de longa data da plataforma. “O Twitter é onde você pode ver e falar sobre o que está acontecendo”, escreve Suzanne Xie, diretora de gerenciamento de produtos do Twitter. “Mas, as vezes, respostas indesejadas dificultam conversas significativas”.

O quanto o recurso será eficiente para deter os trolls ainda está por ser visto. Independentemente da opção selecionada, todos ainda podem visualizar, retuitar e curtir os tweets; eles também podem retuitar com comentários, que é uma maneira popular de instigar os seguidores a direcionar o abuso a alguém.

O outro problema potencial com tweets limitados é como seu uso pode afetar figuras públicas. Em 2017, o Columbia University’s Knight First Amendment Institute processou Donald Trump por bloquear os usuários do Twitter, e o Tribunal de Apelações no ano passado confirmou uma decisão contra o presidente, dizendo que a ação era uma violação dos direitos da Primeira Emenda das pessoas.

A União Americana das Liberdades Civis (ACLU) diz que funcionários públicos que usam o recurso de limitação de respostas estariam violando a liberdade de expressão dos usuários da mesma maneira que o bloqueio deles.

“Em geral, o investimento do Twitter em controles de usuários é uma coisa boa. Mas os funcionários públicos estariam violando a Primeira Emenda se usassem essa ferramenta para bloquear os oradores em quaisquer contas que abrissem para conversas públicas em seus papéis como atores do governo. Os funcionários públicos também não devem usar essa ferramenta para decidir quem pode ou não pode responder às contas que eles abriram para solicitações de assistência do governo, que podem estar aumentando devido à COVID-19 ”, escreveu a ACLU.

Fonte: TechSpot

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.