Ubisoft tem intenção de desenvolver games em blockchain

Sucesso em vendas e aumento em sua base de jogadores são os principais fatores que levaram investidores a dar o próximo passo.

Segundo relatório apontado pela Ubisoft, houve aumento de 15% em sua base de jogadores ativos no primeiro semestre de 2021, em comparação com o ano anterior. Além disso, Assassin’s Creed Valhalla virou o segundo jogo mais vendido da empresa. Por conta do sucesso financeiro, a Ubisoft manifestou interesse em investir no mercado de games em blockchain.

Animoca Brands é uma das empresas financiadas pela Ubisoft. Trata-se da proprietária do The Sandbox, metaverso de games executados dentro da blockchain do Ethereum. No entanto, é importante esperar por novidades: o projeto ainda está em estágios prematuros de desenvolvimento.

Além disso, a Ubisoft se tornou um nó validador na blockchain Tezos em abril deste ano. Recentemente, também criou a Blockchain Game Alliance, uma organização cujo objetivo é promover a utilização de blockchain na indústria de games.

Nem todo mundo gosta

Recentemente, a Valve, dona do Steam, maior loja virtual de games do mundo, proibiu jogos que fazem uso de criptomoedas e blockchain. Segundo a empresa, acredita-se que criptoativos não têm valor intrínseco, portanto, fogem dos valores cultuados pela companhia.

Por outro lado, a Epic Games aproveitou a oportunidade e afirmou estar aberta para receber, de braços abertos, jogos que trabalhem por meio de criptomoedas ou quaisquer outros ativos em blockchain. Desde que, claro, sigam as devidas diretrizes legais.

Foto de Rafael Motta
Foto de Rafael Motta O autor:

Jornalista, trader e entusiasta de tecnologia desde a mais tenra juventude. Foi editor-chefe da revista internacional 21CRYPTOS e fundador da Escola do Bitcoin, primeira iniciativa educacional 100% ao vivo para o mercado descentralizado. Foi palestrante na BlockCrypto Conference, em 2018.