UNICEF usa criptomoedas para ajudar refugiados

Com ajuda das criptomoedas, UNICEF busca ajudar jovens como Gothier Semi a retomar o caminho dos estudos

Para Gothier Semi, a viagem para a escola foi longa. Forçado a fugir de casa devido a uma guerra civil na República Centro-Africana, ele perdeu cinco anos de estudos. E agora, ele está trabalhando duro para alcançá-los.

A UNICEF espera que sua parceria com a Iniciativa GIGA ajude estudantes como ele, pois visa conectar todas as escolas do mundo à Internet.

“Ter conectividade nos permite fornecer conteúdo para crianças que, de outra forma, não teriam acesso a ela”, disse Sunita Grote, gerente do Fundo de Inovação da UNICEF.

A iniciativa é um dos primeiros programas a se beneficiar do novo fundo de criptomoedas da UNICEF, que a agência espera que seja o método de doação mais eficiente e eficaz até o momento.

“Vimos criptomoedas passando de nossos doadores para a UNICEF e para essas três empresas em questão de minutos. Isso geralmente é algo que nos levaria vários dias pelo menos para fazer. Da mesma forma, você pode imaginar que ser capaz de transferir dinheiro para alguém que está em um ambiente de refugiados com muito mais eficiência teria um impacto significativo sobre o acesso ao que eles precisam ”, disse Grote.

É a primeira agência das Nações Unidas a implementar criptomoedas em sua estrutura de financiamento e serve como resposta a uma das maiores chamadas à ação que a ONU enfrentou:

“Estamos vendo que cada vez mais nos pedem para ser mais transparentes sobre como estamos alocando recursos e, esperançosamente, essa exploração de blockchain ajudará a ONU a aproveitar os benefícios que as novas tecnologias têm a oferecer”, afirmou Sunita.

Esses benefícios estão sendo vistos no campo de Zaatari, na Jordânia, com o piloto do World Food Program Building Blocks, usando a tecnologia blockchain. Os refugiados sírios sacam dinheiro usando scanners oculares, mostrando aos doadores que seus fundos estão realmente chegando aos da linha de frente.

A UNICEF estima que cerca de 263 milhões de crianças e adolescentes não tenham acesso à aprendizagem adequada como resultado de conflitos, localização geográfica e questões econômicas, para citar alguns. A agência espera que, com esse maior nível de transparência, mais doações fluam e outras agências da ONU sigam o exemplo.

Investindo em tecnologia inovadora, diz Paul Lamb, consultor filantrópico, é possível transformar o campo humanitário para sempre.

“A tecnologia é realmente poderosa e interessante, mas é realmente sobre impacto. E acho que, através de alguns desses exemplos, estamos começando a ter um impacto significativo, e acho que a longo prazo esse impacto aumentará ”, disse Lamb.

Fonte: America CGTN

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.