Uma empresa chinesa de chá está se voltando para a mineração de Bitcoin

A Urban Tea, uma empresa de capital aberto listada na Nasdaq, está se expandindo além de produtos de panificação e fermentados

O comércio de chá nunca foi realmente sobre chá, de qualquer maneira. E dando continuidade a essa tradição milenar de expedição e expansão está a Urban Tea, uma empresa de produtos de panificação e chá de capital aberto com sede em Hunan, China, que está entrando na mineração de Bitcoin e criptomoedas. E não será o primeira.

A Urban Tea tem hoje empossada como Diretor de Operações Fendgan Zhou e como diretor independente Dr. Yunfei Song para “liderar e apoiar a expansão estratégica crítica da empresa em blockchain e mineração de criptomoedas”.

Zhou vem de “empresas de data center de blockchain” em Hong Kong e Singapura, de acordo com um comunicado à imprensa, e Song é um cientista da Academia Chinesa de Ciências com experiência em mineração e comércio de criptomoedas. Zhou vai liderar o “plano de negócios de blockchain e Bitcoin” da Urban Tea, de acordo com a empresa.

O CEO da Urban Tea, Yi Long, disse em um comunicado que o florescente negócio de mineração de criptomoedas de sua empresa surge quando “a tecnologia de blockchain e criptomoedas está ganhando popularidade generalizada”. Na verdade, o Bitcoin atingiu US$ 50.000 pela primeira vez apenas esta semana.

O envolvimento com mineração de criptomoedas a é um movimento incomum para a Urban Tea. A empresa, fundada em 2011 e com uma capitalização de mercado de $ 45 milhões, tem se concentrado no chá desde que vendeu seu “negócio de produtos químicos” em abril de 2019. Desde então, comprou o controle acionário de uma empresa de gestão de marca e de uma cadeia de fornecimento de chá, e abriu lojas em Nova York.

E agora, do nada, mineração de Bitcoin.

“Daqui para frente”, disse Yi, “esperamos que o Urban Tea comece a se expandir para a ecologia de blockchain, como mineração de criptomoedas, construção e manutenção de redes blockchain e operações de exchange de criptomoedas.”

A ação é ousada, mas a Urban Tea não seria a primeira empresa de chá a trilhar por esse caminho. A Long Island Tea Corp, uma empresa de limonada e chá gelado sem álcool, rebatizada como Long Blockchain Corp em dezembro de 2017,  seguiu o mesmo caminho no momento em que o Bitcoin chegava perto de US$ 20.000.

Ao anunciar a mudança de marca, a Long Blockchain Corp disse que estava investindo em “oportunidades que alavancam os benefícios da tecnologia blockchain.

Na época do anúncio, a empresa tentava desesperadamente manter suas ações listadas nos mercados de negociação públicos, enfrentando ameaças da Nasdaq. Pouco depois de seu anúncio de criptomoedas, suas ações valorizaram 500%.

Mas quando a bolha cripto estourou, o mesmo aconteceu com as ambições de mineração da Long Blockchain. Em fevereiro de 2018, quando o preço do Bitcoin despencou, a Long Blockchain descartou seus planos de comprar mineradores de criptomoedas. Em abril, a Nasdaq a eliminou das telas dos traders e a Long Blockchain teve que vender seu negócio de chá.

Desde então, a empresa foi investigada pelo FBI e pela SEC sob alegações de uso de informações privilegiadas. Os investigadores pensaram que a Long Blockchain era um esquema de “pump e dump”: pumpar ações de baixa capitalização para os céus e sair antes que tudo desmorone.

Ainda assim, durante a bull run, as ações da Long Blockchain valorizaram dez vezes.

A Urban Tea (MYT) fechou as negociações de hoje com alta de 15% após notícias de seus planos de Bitcoin.

Fonte: Decrypt

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.