Veja por que o Bitcoin não é como nenhuma bolha financeira do passado

Após idas de vindas com diversas acusações de bolha, o Bitcoin segue ganhando mais investidores a cada ano que passa

Bitcoin passou por vários ciclos de alta de preços incríveis e quedas subsequentes desastrosas nos últimos 10 anos. De acordo com o Man Group, uma grande empresa de fundos de hedge de capital aberto, o Bitcoin é como ‘Prometeu’ da mitologia grega, porque toda vez que se machucava, sempre voltava:

“Cada vez que uma bolha de Bitcoin estoura, outra volta a crescer para substituí-la”, disse o Man Group em uma carta  em 12 de janeiro passado.

Esse comportamento, explica o grupo, o torna diferente de bolhas anteriores, informou a Bloomberg. O Man Group listou 20 bolhas, desde as tulipas holandesas de 1634 e a Mississippi Company de 1718 até a bolha de tecnologia de 1995 a 2002 e o setor financeiro dos EUA de 2002 a 2009. O Tulip Mania deu um retorno de 39,9x de seu preço inicial. A Mississippi Company deu um retorno de 36x.

Como a maioria das bolhas, todas declinaram a partir do pico e muitas não se recuperaram. Por exemplo, o declínio da Mississippi Company levou ao seu colapso em 1721. Quase todas as ações de tecnologia dos anos 90 foram eliminadas, embora as que sobreviveram sejam algumas das maiores empresas agora, incluindo a Amazon.

O Bitcoin, disse o Man Group, é diferente. Em 2017, o Bitcoin chegou a um valor tão alto quanto quase US$ 20.000 em uma alta parabólica que começou no mesmo ano. Em seguida, ele sofreu um crash de três anos, caindo para pouco menos de US$ 4.000 em março de 2020.

No entanto, com um evento técnico conhecido como halving do Bitcoin – onde a emissão de suprimentos de Bitcoin é reduzida para 900 por dia, a criptomoeda passou por outra alta parabólica de $ 4.000 em março passado para $ 42.000 em janeiro de 2021.

Vários analistas sugeriram diferenças nessas duas “bolhas”. Em 2017, o rally foi alimentada por investidores de varejo que queriam obter lucro rápido sem entender de Bitcoin ou criptomoedas.

Em 2020, os participantes ativos são investidores institucionais que, afirmam os analistas, têm prazos plurianuais mais longos e não apenas para lucros rápidos. Como tal, o Man Group disse que seria sensato não chamar 2017, 2020 e os picos de preço do Bitcoin anteriores como “bolhas”, mas sim, eles devem ser vistos simplesmente como a volatilidade observada sempre que um ativo entra no modo de descoberta de preço.

Essa volatilidade “diminuirá para dar ao Bitcoin mais estabilidade e, em última instância, legitimidade”, concluiu o Man Group.

Fonte: IBTimes

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.