Venezuela muda política para permitir pagamento de combustível com a criptomoeda Petro

Mudança fez o Petro apresentar forte alta

A Venezuela fez uma grande mudança em sua política, que oferecia combustíveis subsidiados a seus cidadãos em meio à escassez de combustível em todo o país devido às sanções americanas. A mudança de política significaria que agora os venezuelanos teriam que pagar pelo combustível que recebiam quase de graça sob subsídios do governo. A mudança de política levaria o preço da gasolina a crescer de quase zero para cerca de 5.000 bolívares por litro, o que equivale a 2,5 centavos. Os cidadãos agora podem pagar por seu combustível com dinheiro ou na criptomoeda nacional, Petro.

A adição de pagamentos de criptomoedas pode parecer fascinante para o mundo exterior, mas é bastante problemático para o nativo, pois o anúncio veio com uma pegadinha.

O anúncio citou que os clientes não poderão usar diretamente o Petro App para efetuar pagamentos na moeda digital nacional. Isso, contudo, cria uma situação bastante complicada, pois o Petro App é a única carteira compatível com o Petro. O anúncio dizia:

“As compras de combustível devem ser feitas através dos mecanismos eletrônicos disponíveis da Patria Wallet, através do Sistema Biopago.”

O Sistema Biopago é um sistema biométrico criado pelo maior banco do país e o Patria Wallet é um portal do governo usado para buscar serviços de bem-estar e benefícios sociais para seus cidadãos.

Entretanto, essa plataforma não é compatível com o Petro, tornando o anúncio bastante redundante se o governo não puder tornar sua carteira Patria compatível com o Petro. Embora esse problema persista, o anúncio em si ajudou o preço do Petro a subir 40% nas exchanges de criptomoedas locais.

image1 6

O preço do Petro atingiu 2,6 milhões de bolívares, o que equivale aproximadamente a US$ 13.

Chefe de criptomoedas da Venezuela está na lista dos mais procurados dos EUA

Enquanto a Venezuela ganhou as manchetes por sua mudança de política nas ofertas subsidiadas de combustível, também foi notícia nos mercados dos EUA, quando o ICE e o US Homeland Security adicionaram o principal administrador cripto da Venezuela, Joselit Ramírez, na lista de fugitivos mais procurados; com uma recompensa de US$ 5 milhões na cabeça.

A ICE acusou Ramirez de lavagem de dinheiro e violar sanções dos EUA. A agência também alegou que o chefe cripto da Venezuela tem laços políticos e sociais profundamente enraizados com os chefões das drogas. Ramirez assumiu o comando da cabeça de criptomoeda da Venezuela em junho de 2018.

O governo dos EUA começou a investigar Ramirez desde o início do ano por causa de suas supostas conexões com algumas das autoridades venezuelanas mais corruptas. Naquela época, o governo dos EUA também anunciou uma recompensa de US$ 15 milhões ao presidente Maduro e a outras autoridades. No entanto, neste momento, Ramirez não estava presente na lista dos mais procurados.

Fonte: BTC EG

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.