Windows 7 ainda é usado em um quarto de todos os PCs

O sistema operacional vintage continua popular, meses após o término do suporte da Microsoft

Difícil de acreditar, o Windows 7 foi lançado em 2009. Saiu do suporte principal e entrou em sua fase de suporte estendido em janeiro de 2015, permitindo que os usuários ainda recebessem patches de segurança críticos gratuitos, correções de bugs e suporte técnico pelos próximos cinco anos .

Em 14 de janeiro deste ano, o período de suporte estendido terminou. As ESUs ainda estão disponíveis para todos os clientes do Windows 7 Professional e Windows 7 Enterprise, mas a Microsoft cobra US$ 25 (Enterprise) ou US$ 50 (Pro) por máquina, e esses preços sobem todos os anos.

Como o Windows 7 não recebe mais correções de vulnerabilidades recém-descobertas, está cada vez mais em risco de ataques cibernéticos – o Centro Nacional de Segurança Cibernética do Reino Unido alertou as pessoas a não usar o Windows 7 para transações bancárias na Internet ou até e-mails. Mas seu número de usuários mal mudou desde janeiro, com o sistema operacional ainda sendo encontrado em quase um quarto dos PCs (24,28%), segundo o NetMarketShare.

Doze meses atrás, o Windows 7 tinha uma participação de 35% no mercado, portanto, uma queda de 10% em um sistema operacional de uma década que não é mais suportado não é nada ruim. Mas por que tantos querem evitar a atualização para o Windows 10? Muito disso se deve a preocupações de privacidade em torno do sistema moderno, embora a Microsoft tenha feito muito para resolver isso nos últimos tempos.

Existem também os inúmeros problemas causados ​​pelas atualizações do Windows 10, o fato de algumas empresas simplesmente não terem conseguido atualizar e muitas pessoas simplesmente preferem o Windows 7.

Em outros lugares, o Windows 10 continuou a consolidar sua posição no topo, depois de aumentar sua participação para 57,83%. Em março, a Microsoft finalmente alcançou sua meta de um bilhão de dispositivos executando seu sistema operacional mais recente, perdendo sua previsão original em 20 meses. E são boas notícias para o Linux, que alcançou uma alta histórica de 3,17%.

Fonte: TechSpot

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.