Bitcoin no Brasil

Bancos brasileiros “se rendem” e começam a testar tecnologia bitcoin

por Bia Couto

29/09/2017 - 1:20 pm

O Bitcoin continua surpreendendo, tanto direta, quanto indiretamente. O receio e as restrições que eram associados à moeda, principalmente pelas tradicionais instituições financeiras, parecem estar ficando para trás. A prova mais recente disso é que bancos brasileiros estão começando a testar a tecnologia que embasa as criptomoedas, a blockchain. Os bancos tem como objetivo diminuir o custo de algumas transações, uma vez que por meio desta tecnologia é possivel distribuir dados pela rede de várias máquinas conectadas em locais diferentes. Cada uma destas máquinas tem uma cópia do conteúdo, que é gerenciado de forma compartilhada.

Leia também: Brasil é 4º maior mercado de Bitcoin do mundo

Em abril deste ano foi realizado o primeiro teste com a nova tecnologia por uma equipe da Febraban (Federação de Bancos) formada por 16 entidades, entre elas os cinco maiores bancos brasileiros.

“O blockchain permite ter mais eficiência operacional, que é o que todos os bancos procuram. Nós usamos intermediários, como bancos e emissoras de cartões, para garantir a segurança de transações. Mas eles são centralizadores, o que significa que podem ser hackeados, e custam muito, tornando as coisas mais lentas.”, diz Adilson Fernandes, coordenador do grupo de trabalho da Febraban.

Mesmo em meio a especulações, o bitcoin e outras moedas têm se fortificado por todo o mundo. No Brasil não tem sido diferente, ainda que em passos mais lentos. Tudo isso ocorre em uma semana que a moeda tem apresentado valorização consistente.

No exterior o processo está mais adiantado. O BBVA (banco espanhol) fez um teste onde enviou euros da sede na Espanha para serem convertidos em pesos mexicanos na filial do país latino-americano. O Santander fez um projeto-piloto parecido, remetendo dinheiro de Londres para Nova York.

A grande verdade é que o mercado está otimista com as diversas possibilidades apresentadas pelo blockchain e as criptomoedas.

O que você acha? Deixe seu comentário.