Gazpromneft fecha parceria com BitRiver para minerar criptomoedas na Rússia

Gazpromneft

Rússia usará CO2 da empresa Gazpromneft de petróleo e gás para gerar energia e minerar criptomoedas

As sanções dos EUA contra a Rússia desempenharam um papel na adoção de criptomoedas no país europeu, fazendo com que empresas petrolíferas como a gigante Gazpromneft procurassem novas maneiras de explorar recursos naturais, desta vez para mineração de criptomoedas.

A Gazpromneft, uma subsidiária da gigante russa de petróleo e gás natural Gazprom, anunciou um acordo de colaboração de 2 anos com a BitRiver, uma mineradora de Bitcoin de origem Suíça, para fornecer recursos energéticos para sustentar suas operações de mineração de criptomoedas.

De acordo com informações compartilhadas pelo Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo, as duas empresas trabalharão juntas para aproveitar a eletricidade excedente do dióxido de carbono (CO2) liberado durante as operações de extração de petróleo da Gazprom na Rússia. Isso costuma ser um problema para muitas empresas porque elas precisam queimá-lo na atmosfera, mas o que a Gazpromneft está fazendo pode ser uma solução melhor.

BitRiver faz parceria com a russa Gazpromneft

Igor Runets, fundador e CEO da BitRiver, disse que a empresa pretende construir uma infraestrutura de mineração na Rússia com o apoio da Gazpromneft. A infraestrutura alcançaria até 2 Gigawatts de energia elétrica, muito maior do que as instalações construídas no Texas pela mineradora norte-americana Riot Blockchain.

Nos próximos dois anos, a BitRiver pretende implementar projetos para criar seus próprios data centers para computação de uso intensivo de energia com escala de energia de até 2 [gigawatts], incluindo [gás de petróleo], que fornecerá adicionalmente um consumo de energia alto e estável.

Este seria um dos projetos mais ambiciosos da BitRiver. A BitRiver é a primeira empresa de mineração de criptomoedas a ser sancionada pelos Estados Unidos sob o pacote de sanções contra a Rússia. No entanto, um mês depois, a empresa emitiu um comunicado argumentando que as acusações dos EUA eram “infundadas e falsas”, dizendo que o negócio continuava operando normalmente.

Uma operação de mineração de criptografia mais verde

Há alguns anos, a mineração de Bitcoin e criptomoedas se tornou um tópico de interesse para conservacionistas devido ao alto consumo de energia. No entanto, esforços como este podem acabar ajudando as empresas petrolíferas a reduzir as emissões de CO2.

Esta não é a primeira vez que a Gazpromneft entra no mercado de mineração de criptomoedas. No final de 2020, a empresa abriu um local para mineração de criptomoedas em um de seus locais de perfuração de petróleo na Sibéria, na Rússia; no entanto, naquela época, eles não pretendiam operar as fazendas de mineração, mas fornecer eletricidade aos mineiros.

Por outro lado, de acordo com um relatório da CNBC, a gigante petrolífera americana ExxonMobil trabalha há mais de um ano em um projeto confidencial para aproveitar a mineração de Bitcoin para se livrar do CO2 e, ao mesmo tempo, gerar lucros para a empresa.

Então, talvez iniciativas como essa possam começar a mudar a visão global, retratando a mineração de criptomoedas como parte da solução em vez de ser parte do problema.

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno. Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_