NegocieCoins e TemBTC abrem negociações para estrangeiros

Abertura para o mercado internacional reflete a expansão das exchanges, que vêm batendo recorde de movimentação

A partir da última segunda-feira (11), clientes estrangeiros podem realizar negociações em criptomoedas por meio das exchanges NegocieCoins e TemBTC. Até então, as duas empresas, que pertencem ao Grupo Bitcoin Banco, aceitavam apenas cadastros de brasileiros.

Com a novidade, pessoas de qualquer país poderão se registrar nas plataformas utilizando o número do passaporte. Os clientes internacionais contam com atendimento exclusivo em inglês todos os dias, das 7 às 22 horas.

As negociações nas plataformas continuam a ser realizadas em criptomoedas e reais (BRL).  Clientes internacionais poderão transacionar na moeda brasileira, mas não efetuar saques em reais (transações que também seguirão as normas de compliance do grupo). Já com as criptomoedas, todas as operações estarão liberadas para cadastros internacionais. O Grupo Bitcoin Banco estima que as negociações se ampliem ainda mais com a expansão para além das divisas brasileiras.

“A abertura para o mercado internacional é reflexo da expansão das corretoras do mercado cripto”, explica a vice-presidente do Grupo Bitcoin Banco, Heloísa Ceni.

WeBitcoin: NegocieCoins e TemBTC abrem negociações para estrangeiros
Heloísa Ceni ao lado de Ibraim Mansur, diretor de tecnologia da CLO financeira, proprietária do Grupo Bitcoin Banco.

Juntas, NegocieCoins e TemBTC movimentaram mais de R$500 milhões apenas neste último final de semana, batendo um novo recorde em negociação de criptomoedas no Brasil.

Automatização das negociações

De acordo com o diretor Ibraim Mansur, as novidades do Grupo Bitcoin Banco “não param por aí”.

A partir desta semana os clientes das duas exchanges poderão desenvolver e utilizar bots para a realização de trade. Serão liberados os APIs das plataformas para que os desenvolvedores interessados possam automatizar as operações de compra e venda por meio de robôs.

Essa ferramenta, inédita nas plataformas, atende a um pedido insistente dos clientes das empresas. Para garantir a segurança dos clientes, os bots poderão executar negociações, mas não operações de saque.

Com sede em Curitiba, o Grupo Bitcoin Banco é um dos primeiros da América Latina a atuar com investimentos e negócios relacionados às criptomoedas. O grupo é composto pelo Bitcoin Banco, primeira empresa brasileira não integrante do SFN especializada em negócios com moedas virtuais, com uma unidade física localizada em Curitiba e outra em São Paulo; pelas exchanges TemBTC e NegocieCoins, que possui um dos maiores volumes de negociação entre as corretoras nacionais; pela Imobiliária Tagmob (que aceita Bitcoins em seus negócios); pela Opencoin (empresa destinada a desenvolver um token de utilidades), e pela Fork Content, primeira agência de publicidade brasileira a utilizar o blockchain.

O grupo também é filiado ao Icoinomia, Instituto Nacional de Defesa dos Operadores de Câmbio de Criptomoedas, cujo objetivo é defender o livre exercício da atividade econômica das organizações que operam com moeda virtual.

Foto de Beatriz Orlandeli
Foto de Beatriz Orlandeli O autor:

Simpatizante das criptomoedas, após cursar Arquitetura e Urbanismo, reavivou um antigo gosto pela escrita e atualmente trabalha como redatora do WeBitcoin.

biaorlandeli