Tencent investe fortemente em blockchain e outras tecnologias emergentes

Agora também investindo em blockchain, a Tencent é o maior e mais utilizado portal de serviços de internet da China

A gigante tecnológica chinesa Tencent investirá 500 bilhões de yuans (US$ 70 bilhões) em tecnologias emergentes, como blockchain, revelou um novo relatório. A empresa, mais conhecida por seu aplicativo de mensagens WeChat, também investirá em outras tecnologias, incluindo segurança cibernética, computação em nuvem e inteligência artificial nos próximos cinco anos, segundo um relatório da Reuters.

O investimento faz parte da estratégia da Tencent de se recuperar após a desaceleração econômica da COVID-19. Dowson Tong, vice-presidente executivo sênior da empresa, disse recentemente que a Tencent não ficou imune à desaceleração, com seus serviços em nuvem sendo os mais atingidos. Atualmente, a empresa com sede em Shenzhen controla 18% do mercado chinês de nuvens, dominado pela Alibaba.

“A aceleração da estratégia de ‘nova infraestrutura’ ajudará a consolidar o sucesso da contenção do vírus”, disse Tong.

A Tencent não revelou em que parte do investimento irá para sua divisão de blockchain ou em quais projetos planeja se concentrar.

A empresa tem sido um dos maiores players da indústria de blockchain. Em abril, anunciou que havia lançado um programa acelerador de blockchain. O programa admitiria empresas focadas em aplicativos baseados em blockchain para compartilhamento de dados, gerenciamento da cadeia de suprimentos, pagamentos digitais, governança, logística e muito mais.

Os participantes terão acesso gratuito à plataforma blockchain como serviço (BAAS) da Tencent e poderão acessar uma grande rede do setor. O período de inscrição termina em 6 de junho.

O enorme investimento é mais uma prova do crescente interesse na blockchain causado pelo advento da pandemia da COVID-19. Embora tenha levado à queda de algumas startups de blockchain após ficarem sem dinheiro, a pandemia iluminou o impacto que a blockchain pode ter no desenvolvimento de sistemas robustos que podem suportar tais epidemias.

Na China, o governo intensificou os esforços para lançar sua moeda digital do banco central. O banco central já está conduzindo testes em quatro cidades, enquanto se prepara para a implantação nacional.

O país também lançou sua Blockchain Service Network (BSN) em meio à pandemia. A BSN permite que os desenvolvedores criem aplicativos descentralizados usando várias blockchains públicas. Segundo seus desenvolvedores, a rede reduzirá os custos associados ao desenvolvimento de aplicativos blockchain em 90%.

Fonte: CoinGeek

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.