Banco Central Holandês afirma que o blockchain ainda não está pronto para suportar a infraestrutura do mercado financeiro

De Nederlandsche Bank (DNB), o banco central da Holanda, recentemente concluiu após um teste de três anos que o blockchain não atende às necessidades da infraestrutura do mercado financeiro, conforme anunciado no site da instituição. O relato cita as inadequações do bitcoin nas áreas de capacidade, seu alto consumo de energia e as incertezas sobre a verificação de transações.

Leia mais: Canadá publica projeto de lei sobre novas regulamentações de criptomoedas

O DNB considera a tecnologia útil para melhorar a resiliência em relação a ataques externos, mas a custo da eficiência e capacidade.

Quatro protótipos testados

O DNB testou quatro protótipos de tecnologia de registros distribuídos durante seu projeto de três anos, chamado Dukaton. O objetivo era estabelecer um entendimento da tecnologia e determinar as áreas onde ela pode melhorar o tráfego e pagamento de títulos.

O primeiro protótipo foi baseado no software do bitcoin, utilizando o software do próprio banco. A plataforma foi descentralizada em cinco laptops. As partes responsáveis por validar as transações foram recompensadas por criar novos “Dukatons” e uma taxa de transação.

O segundo protótipo envolveu a criação de Dukatons, utilizando um método que consumia menos energia. Dukatons foram criados baseados em uma parte emissora, um método que é diferente da criação de bitcoin. As partes responsáveis pela criação de Dukatons recebe todos os tokens, enquanto aqueles validando as transações recebem uma taxa de transação.

O terceiro protótipo, um Dukaton central, simulou com uma carteira construída sem o software do bitcoin. Esse protótipo armazenou chaves criptográficas para segurança.

O terceiro protótipo serviu de base para o quarto, que analisou a utilidade da DLT para construir uma infraestrutura para o mercado financeiro. Um site foi estabelecido para mostrar as Dukatons e as transações realizadas no registro distribuído. Várias configurações foram testadas. Diferentes algorítimos foram utilizados para aprovar transações, após um consenso entre nós diferentes.

Leia mais: Bitcoin mergulha abaixo dos US$6700, mercado abaixo dos US$300 bilhões

Testes foram conclusivos

Os protótipos indicaram que as soluções não podem atender às necessidades da infraestrutura do mercado financeiro, incluindo eficiência, segurança, autorização confiável, disponibilidade, resiliência, finalidade do pagamento, escalabilidade, custo, capacidade e sustentabilidade.

Target2, o sistema de pagamento entre bancos do Eurosystem, atualmente atende às necessidades de uma infraestrutura do mercado financeiro, ressaltou o relato. Este sistema fornece sistemas eficientes de pagamento que podem lidar com grandes volumes e certeza nas transações.

As soluções em blockchain, em contraste, não podem lidar com altos volumes transacionais. Além disso, os 100% de certeza de que uma transação não pode ser revertida nunca foi atingida.

Existem algorítimos que são resistentes a ataques, o que pode melhorar a ciber resiliência. Contudo, tais algorítimos falham em atender outros requerimentos.

Leia mais: Jornal de maior circulação da China pede regulamentação para criptomoedas

Melhorias futuras são possíveis

A tecnologia de registros distribuídos pode melhorar a eficiência de pagamento de diferentes moedas, o relatório ressaltou.

O DNB continua acreditando que o blockchain é promissor, e ainda acredita que é possível que novos algorítimos atendam todos os requerimentos para criar uma infraestrutura para o mercado financeiro. O banco continua a experimentar a tecnologia.

Enquanto isso, bancos centrais de diversos países têm experimentado a tecnologia blockchain. O Banco do Japão e o Banco Central Europeu publicaram um relatório alegando que a DLT pode criar novas ferramentas para liquidar títulos financeiros, como atomic swaps entre registros que não estão conectados.

Fonte: CCN