Brasil em alta: Número de negociadores de bitcoins é maior do que de investidores em ações

Os críticos podem tentar atacar a criptomoeda de todos os ângulos, mas ninguém pode negar que o BTC tem fortemente chamado a atenção das massas. De acordo com alguns relatórios, o número de investidores em bitcoins é duas vezes maior do que daqueles que negociam ações na maior economia da América Latina, o Brasil.

Bitcoin>Ações

O número de investidores de bitcoins no Brasil já ultrapassou o número total de indivíduos registrados na bolsa de valores de São Paulo (Brasil Bolsa Balcão S.A. ou B3). As três maiores exchanges de bitcoin do país – que processam cerca de 95% de todas as transações de criptomoedas no Brasil – tinham 1,4 milhão de clientes cadastrados em dezembro de 2017. Este número é mais do que o dobro dos 619.000 indivíduos registrados no B3 no final do ano passado, de acordo com o portal G1. Além disso, existe a possibilidade do Brasil ter ainda mais negociadores de bitcoins que usam exchanges estrangeiras ou que apenas negociam offline.

A causa desta popularidade, de acordo com os donos das exchanges, é o forte aumento de preços do ano passado. “A variável que explica isto é o preço do bitcoin,” disse Rodrigo Batista, diretor executivo do Mercado Bitcoin, que alcançou o número de 750.000 clientes em 2017, um salto de 275% em comparação com o ano passado. Para André Horta do Bitcointoyou, com 300.000 clientes, a queda na lucratividade de outros investimentos foi outro fator que atraiu investidores ao bitcoin.

Leia mais: Brecha no sistema permite que usuários hackeiem IOTA e roubem $4 milhões de dólares

Exchanges não conseguem acompanhar à demanda

O grande aumento no número de investidores atraídos pelo bitcoin garantiu às exchanges brasileiras um crescimento significativo, o que, assim como ocorreu com outras exchanges ao redor do mundo, diminuiu fortemente sua capacidade de atender à grande demanda de clientes. No Mercado Bitcoin, por exemplo, há 5.000 novos registros diariamente. Um ano atrás, haviam no máximo 500. De acordo com a notícia, com o aumento na demanda, o número de reclamações contra essas empresas explodiu.

Para lidar com o número de investidores que estão crescendo em quase 3.5 vezes anualmente, as exchanges tiveram que fortificar seus sistemas de TI e aumentar sua equipe de funcionários. Bitcointoyou quadruplicou sua equipe de funcionários para 40 empregados.

Com 350.000 registros, a Foxbit, exchange de São Paulo, teve de suspender o serviço para novos investidores em dezembro. “Inesperadamente, o volume diário aumentou em cinco vezes e não pudemos atender a esta demanda,” disse Guto Schiavon, sócio fundador da Foxbit. De 40 pessoas em novembro, a equipe aumentou para 60 funcionários, e outras 15 pessoas foram empregadas em janeiro quando a empresa reabriu ao público.

Que outros fatores podem explicar a popularidade do bitcoin no Brasil? Conte-nos o que pensa nos comentários!

Fonte: Bitcoin.com