Como o Bitcoin está entrando no mercado mundial de artes de $60 bilhões de dólares

Eleesa Dadiani possui e administra uma galeria de arte na famosa Rua Cork de Londres. Ela nasceu em Geórgia, no Cáucaso, e foi “criada por ciganos”. Mas ela também é uma apaixonada pelo poder da Bitcoin e de outras moedas digitais.

Quando nos encontramos, ela estava ocupada preparando-se para uma exibição de esculturas feitas a partir de antigos carros de corrida de Fórmula 1.

Pela primeira vez no mundo da arte tradicional da Cork Street, sua clientela internacional terá a oportunidade de pagar usando o Bitcoin, a cryptomoeda digital sustentada pela tecnologia blockchain.

A galeria também aceita outras cryptomoedas como Ethereum, Ethereum Classic, Dash, Litecoin e, em breve, Monero, ela diz.

Por quê?


O número de varejistas que aceitam o Bitcoin está aumentando, mas ainda é relativamente pequeno “Esta não é uma decisão orientada pela demanda, é intuitiva com base na maneira como as coisas estão indo”, diz ela.

Ela acredita que pagar com cryptomoeda será tão normal como pagar em dinheiro ou cartão de crédito. Ela também espera atrair um novo e não tradicional tipo de investidor de arte.

O Blockchain, a tecnologia subjacente, é um ledger digital ou registro de transações verificadas por milhares de computadores em uma rede. Uma vez que a rede chegou a um consenso de que uma transação aconteceu, o ledger é atualizado e não pode ser adulterado.

“Blockchain é uma rede sem fronteiras, de código aberto, descentralizada peer-to-peer que os governos não conseguem desligar”, diz ela. “Para mim, a blockchain será a maior coisa desde a internet”.
E o fato de que não há um corpo centralizado – como uma sede bancária, por exemplo – torna as cryptomoedas mais seguras, argumenta ela, apesar de sua reputação de ser volátil, de alto risco e a “loja” preferida para criminosos e hackers.

Os pagamentos de Bitcoin podem ser anônimos e ficam além do alcance das autoridades fiscais, mas essa não é a razão pela qual ela está oferecendo pagamento por cryptomoeda.

Então, como é fácil aceitar um pagamento Bitcoin?

“É realmente muito simples”, explica. “Eu dou ao cliente minha chave pública [uma longa série de letras e números] e eles usam isso para enviar bitcoin à minha conta a partir da troca de carteira digital ou bitcoin”, diz ela. “Minha carteira está ligada ao meu banco pessoal, então eu posso converter esses bitcoins em libras, euros ou dólares”.

A Sra. Dadiani é uma fã de cryptomoedas – ela também negocia – tanto que está lançando sua própria versão, Dadicoin, no final deste ano.

O mundo da arte de US $ 60 bilhões em geral está avaliando o potencial da cryptomoeda devido a reduzir a dependência de corretores e outros intermediários.

Marcelo Garcia Casil, por exemplo, é diretor executivo e co-fundador do Maecenas, um mercado on-line que permitirá aos proprietários de arte vender parte de suas caras obras de arte (valor de mais de US $ 1 milhão) e arrecadar dinheiro de forma mais ecônomica do que através de um banco.

E os proprietários também conseguem manter a posse de suas obras enquanto compartilham até 49% da propriedade.

Os investidores, que normalmente não poderiam pagar obras de arte de vários milhões de dólares, poderão comprar ações ou unidades no trabalho usando cryptomoedas. Eles poderão vender essas unidades no mercado. Cada transação é gravada criptograficamente na blockchain Ethereum.

“Queremos tornar as belas artes acessíveis para todos”, diz Casil, que nasceu na Argentina, agora mora em Cingapura e tem experiência em banca de investimento.

“As antigas casas de leilões como Christie’s e Sotheby’s controlam o mercado de arte há séculos, então pensamos que a oportunidade de mudança é enorme”.

Estabelecer a autenticidade das obras de arte é fundamental para o seu valor, e isso ainda precisa ser feito por profissionais qualificados, admite o Sr. Casil. “Mas, uma vez que foi registrada na blockchain, você nunca mais precisa fazê-lo”, diz ele. Isso tira muito custo do sistema. O Maecenas já atraiu obras de arte no valor de US $ 100 milhões (£ 77 milhões, 86 milhões de euros), diz Casil.

O mundo da arte vem flertando com a Bitcoin há alguns anos. Em abril de 2015, o Museu Austríaco de Arte Aplicada / Arte Contemporânea (MAK) foi o primeiro museu do mundo a comprar uma obra de arte usando o Bitcoin.

O artista holandês Harm Van Den Dorpel criou um screensaver de edição limitada que foi criptograficamente autenticado através de blockchain. E a galeria on-line Cointemporary exibe obras de arte digitais de artistas internacionais contemporâneos que só podem ser comprados com o Bitcoin. As compras são tratadas pela Coinbase.
Mas Bitcoin e outras cryptomoedas se tornarão realmente uma alternativa popular ao dinheiro tradicional? As opiniões diferem amplamente.

No Japão, há uma grande jogada para equipar 260 mil locais de varejo com capacidade de bitcoin e alguns varejistas de alta rua, como Lush, optaram por aceitar a moeda.

Mas Joe Pindar, diretor da empresa de segurança cibernética Gemalto, diz: “Atualmente, há poucas empresas que aceitam bitcoin como método de pagamento – menos de 1% de todos os varejistas.Apesar disso, o Sr. Pindar diz que vários grandes varejistas experimentaram a cryptomoeda, mas podem escolher “adotar o bitcoin apenas para compras on-line, onde o tempo para processar um pagamento é menos importante”.

A volatilidade da moeda é um problema – o valor de um bitcoin superou US $ 3.000 em junho, antes de bater abaixo de US $ 1.900 em julho – e as transações estão demorando mais e mais para processar.
Isto é em grande parte devido às regras que regem o funcionamento de Bitcoin, e atualmente há uma grande discussão sobre como o problema deve ser resolvido.

FONTE: BBC NEWS