Por que os bancos odeiam tanto o Bitcoin?

Os negócios de blockchain estão em ascensão e, em pouco tempo, os clientes poderão fazer suas compras diárias com cartões de criptomoedas apoiados por moeda fiat

A evolução da tecnologia blockchain e do Bitcoin nos últimos anos sozinha foi vasta (e impressionante). De wallets e exchanges a sistemas de pagamento, cassinos e até empréstimos de criptomoedas – uma infinidade de serviços movidos a blockchain surgiu para atender consumidores e participantes do mercado.

De acordo com o provedor de dados de mercado Statista, o número de usuários de carteiras de blockchain aumentou de 10 milhões em 2016 para mais de 40 milhões em junho deste ano – uma taxa de crescimento superior a 400%.

O centro de gravidade no universo blockchain tem sido o Bitcoin, uma moeda digital descentralizada sem um banco central ou mesmo um único administrador. A criptomoeda pode ser enviada de usuário para usuário em uma rede bitcoin ponto a ponto sem a necessidade de intermediários.

Não é de surpreender que a ascensão do Bitcoin tenha atraído a ira dos bancos, os intermediários tradicionais dos mercados financeiro e de capitais.

No entanto, o Bitcoin tem sido desaprovado pelos bancos por muitas outras razões.

Como a popularidade do Bitcoin continua a crescer a uma taxa impressionante, também aumenta o risco que representa para o sistema bancário tradicional. Em 2017, o CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, rotulou o Bitcoin como uma “fraude” e chegou a ameaçar a equipe do JPMorgan, se eles o negociassem. Seu desprezo pela moeda virtual não parou por aí, com o banqueiro também a chamando de “estúpida” e “muito perigosa”.

Como justificação dos comentários de Dimon, o JP Morgan e outro banco americano de primeira linha, o Bank of America, listaram as criptomoedas entre os fatores de risco que podem impactar a competitividade e reduzir as receitas e os lucros, apenas dois anos depois.

O JPMorgan Chase não é o único banco a ter problemas com o Bitcoin. Outros bancos, como o RBC Royal Bank, o Regional Financial Corporation, o Santander, o PNC Bank, o TD Bank, o Citi, o Bank of America e até o Capital One também foram relatados bloqueando as movimentações da Coinbase.

A Coinbase é possivelmente a exchange de criptomoeda mais renomada até hoje, com impressionantes 30 milhões de usuários. Para contextualizar, o RBC Royal Bank do Canadá possui aproximadamente 16 milhões de clientes e opera no Canadá há mais de 150 anos – um país com uma população de apenas 37 milhões.

A Coinbase não apenas possui uma base de usuários em constante crescimento, mas também está se expandindo com sistemas de pagamento como o PayPal, enquanto progride para obter sua própria licença bancária. A parceria da empresa com o PayPal iniciou o processo de exclusão dos bancos da equação e é provável que essa tendência de redundância bancária acelere, dada a trajetória até agora.

O monopólio

A principal razão pela qual os bancos estão preocupados com a tecnologia blockchain é o fato de que produtos inovadores de fintech ameaçam os bancos monopolistas atualmente operando em nível global. Além disso, a blockchain está alimentando mudanças em todo o setor, enquanto os bancos estão absolutamente aterrorizados com as mudanças, devido à sua generosidade e operações pesadas.

O sistema bancário sempre pareceu muito simples e tradicional. Confiamos nos bancos para armazenar nosso dinheiro e facilitar os gastos. O “pão com manteiga” está pagando juros sobre depósitos e cobrando taxas pelos empréstimos aos mutuários. Esse modelo bancário simples sustenta a sociedade moderna há centenas de anos.

Até recentemente, havia uma escassez de dinheiro alternativo ou de provedores de processamento de pagamentos. Outras empresas ou indivíduos têm se esforçado para romper o monopólio bancário, porque suas raízes são profundas e sua influência é abrangente. As empresas que solicitam uma licença bancária saberão exatamente como é difícil obter um assento à mesa.

No entanto, as criptomoedas abriram um novo modelo bancário, permitindo que os usuários finais (você e eu) armazenem nosso próprio dinheiro com segurança. As inovações da Fintech, como redes ponto a ponto, tecnologia de contabilidade distribuída (DLT) e Bitcoin, nivelaram o campo de atuação e capacitaram quase qualquer pessoa a se tornar um banco.

Agora, posso confiar na impressão digital, na retina ou em medidas de segurança ainda mais complexas, como cold wallets, para armazenar meu próprio dinheiro. Não preciso pagar taxas mensais e meu dinheiro não está beneficiando ninguém, é apenas meu.

É nessa área que os bancos simplesmente não são necessários e tenho certeza de que eles estão começando a perceber.

Que comece a batalha

Mesmo que as criptomoedas estejam em uma marcha decidida à frente enquanto abalam o monopólio bancário, não sejamos tão ingênuos a ponto de pensar que os bancos não estão agindo.

Apesar do fato de haver um número crescente de relatórios de bancos bloqueando compras de criptomoedas, muitos desses mesmos bancos estão investindo simultaneamente em start-ups de criptomoedas e blockchain. Talvez as palavras de Dimon sejam apenas uma tentativa de distrair as pessoas e impedir uma debandada para criptomoedas?

Em maio de 2019, a Coindesk informou que o JPMorgan continua desenvolvendo seu próprio “JPM Coin”, usando uma versão privada da blockchain Ethereum chamada Quorum. O Quorum também está definido para ser a primeira plataforma de contabilidade distribuída disponível pelo Serviço de Blockchain do Microsoft Azure.

O Santander (outro banco que supostamente está bloqueando as compras da Coinbase) investiu recentemente no Securitize, protocolo de emissão de token apoiado pela Coinbase.

Paralelamente, o RBC Royal Bank – um banco que deixa muito claro que eles não permitem que seus cartões de crédito sejam usados para transações de criptomoeda – está trabalhando em um sistema de pagamento baseado em blockchain com o JPMorgan e é um defensor auto-admitido da Ripple.

O Bank of America está ocupado buscando uma patente para sua própria carteira de criptomoedas.

Esses são apenas alguns exemplos de como os bancos estão se esforçando para se envolver em um setor que está avançando rapidamente sem eles. O fato de as blockchains serem construídas com base nos princípios de código aberto significa que qualquer pessoa e pode criar seus próprios projetos, carteiras ou até exchanges de blockchain.
Os avanços tecnológicos deixaram muito espaço para inovadores e pensadores criativos criarem a próxima melhor coisa.

Tanto para os entusiastas quanto para os desinformados, é fácil seguir adiante – odiar os bancos porque eles controlam nosso dinheiro. Odiar o governo porque eles não entendem o papel dos impostos. Mas a realidade é que os bancos não são os inimigos e é provável que precisemos deles.

À medida que mais empresas como a Coinbase surgem, nos deparamos com uma razão cada vez menor para usar um banco. Mas isso representa apenas a concorrência e não uma revolução. As ações e investimentos realizados pelos bancos são um sinal claro de que agora eles percebem que o Bitcoin é um concorrente vibrante e não apenas uma tendência descolada da Internet.

Os negócios baseados em blockchain estão em ascensão e não demorará muito para que as empresas forneçam cartões de débito / crédito apoiados por decreto para permitir que os consumidores façam nossas compras diárias com nossas próprias carteiras de criptomoedas.

Claramente, os bancos não estão incomodando as empresas de tecnologia de telecomunicações enquanto estão sentados à margem. Eles estão bem e verdadeiramente no jogo, e estão nele para vencer.

Então, talvez, apenas talvez, no mundo de amanhã, todos nós nos tornaremos nosso próprio banco.

Fonte: FinanceMagnates

Foto de Bruno Lugarini
Foto de Bruno Lugarini O autor:

Estudante de Sistema da Informação, técnico de informática, apaixonado por tecnologia, entusiasta das criptomoedas e Nerd.