Quênia é líder em detentores de criptomoedas no continente Africano

Quênia

Segundo estudos realizados pela ONU, Quênia é o país com a maior proporção de habitantes detentores de criptomoedas do continente Africano

O continente africano tem potencial para se tornar um dos principais mercados de criptomoedas do mundo. O Quênia tem a maior parcela de sua população com criptomoedas na África, de acordo com um relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD). O relatório diz que 8,5% da população, ou 4,25 milhões de pessoas, possuem criptomoedas no país.

Isso coloca o Quênia à frente de economias desenvolvidas, como os Estados Unidos, que ocupa o sexto lugar com 8,3% de sua população possuindo moedas digitais. Por outro lado, a Ucrânia devastada pela guerra está no topo, com 12,7% de sua população com criptomoedas, seguida pela Rússia (11,9%), Venezuela (10,3%) e Cingapura (9,4%).

Mercado de criptomoeda

O relatório da UNCTAD atribui a alta classificação do Quênia à exposição do país ao colapso em andamento no mercado de criptomoedas. Com o mercado de criptomoedas em um estado de fluxo, resta saber como o Quênia se sairá nos próximos meses. No entanto, por enquanto, parece que o país está liderando a África na propriedade de criptomoedas.

Segundo a UNCTAD, a África do Sul é o segundo país da África e o oitavo globalmente, com 7,1% da população que possuía ou detinha criptomoedas em 2021. Na Nigéria, que é um dos maiores mercados de criptomoedas do mundo, cerca de 6,3% da população possui ou detém criptomoedas. Isso significa que da população do país de 211 milhões de habitantes, pouco mais de 13 milhões eram proprietários de moedas digitais em 2021.

Os dados da UNCTAD mostram que o número de nigerianos que investiram em ativos digitais provavelmente aumentará consideravelmente nos próximos anos.

A popularidade da criptomoeda aumenta no Quênia

A UNCTAD acredita que a adoção de moedas digitais no Quênia está aumentando devido às baixas taxas cobradas pelas Exchanges de criptomoedas, à velocidade com que podem enviar remessas e ao acesso à Internet que lhes permite realizar transações online.

De acordo com o relatório, “o Quênia emergiu como líder em termos de aceitação e uso de moedas digitais por seus cidadãos”. Ele observou que “a economia cripto vem crescendo rapidamente no Quênia, vários cidadãos usaram moedas digitais no ano passado”.

As criptomoedas são um tema quente nos dias de hoje. Eles fizeram manchetes por suas oscilações de preços selvagens, seu potencial como uma nova maneira de enviar remessas e até mesmo seu potencial como uma nova forma de moeda para países em desenvolvimento.

Mas agora, há um novo desenvolvimento: as criptomoedas também estão sendo usadas por indivíduos de renda média de países em desenvolvimento atingidos pela inflação como uma forma de proteger suas economias domésticas.

Em um relatório sobre suas descobertas, a UNCTAD reconheceu que as criptomoedas cresceram em popularidade porque são “um canal atraente pelo qual enviar remessas”. A ONU também disse que os ativos digitais são populares entre indivíduos de renda média nos países em desenvolvimento porque os veem como uma forma de proteger suas economias contra a inflação.

O relatório da UNCTAD descobriu que, embora as criptomoedas possam permitir pagamentos rápidos e baratos, seu uso também tem desvantagens em potencial. Por exemplo, se o preço de uma criptomoeda cair significativamente, isso pode resultar em prejuízo para os investidores que compraram o ativo digital com um empréstimo. Além disso, como algumas criptomoedas ainda não são amplamente aceitas como pagamento de bens e serviços, existe o risco de que as pessoas as usem para atividades ilícitas, como lavagem de dinheiro e evasão fiscal.

Além dessas preocupações sobre o uso de criptomoedas e seus riscos potenciais, a UNCTAD determinou que “seu uso pode levar a riscos de instabilidade financeira”. O relatório afirma que a principal preocupação é que, devido à sua volatilidade e perfil de alto risco, os criptoativos provavelmente incentivarão a especulação em vez da adoção em ambientes de varejo ou comerciais.

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno. Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_