A maior apreensão de criptomoedas do Brasil com aproximadamente US $ 29 milhões em ativos digitais

Após a “Operação Kryptos”, as autoridades brasileiras prenderam cinco pessoas e confiscaram US $ 28,7 milhões em ativos virtuais.

A Polícia Federal brasileira expôs um esquema de pirâmide financeira local e confiscou milhões em criptomoedas. A operação marcou a maior apreensão de criptomoedas do Brasil com aproximadamente US $ 29 milhões em ativos digitais.

O Novo Recorde

Segundo reportagem da CNN Brasil, as autoridades locais organizaram uma missão especial, denominada “Operação Kryptos”, para deter um esquema fraudulento de pirâmide em operação na região do Rio de Janeiro. Depois de inspecionar 15 locais diferentes, a Polícia Federal prendeu cinco pessoas e executou a maior apreensão de criptomoedas do Brasil com aproximadamente US $ 29 milhões em ativos digitais.

Um dos cinco suspeitos é Glaidson Acácio – dono de uma consultoria de bitcoin no município de Cabo Frio, próximo ao Rio de Janeiro. Pelas denúncias, ele era o responsável por um esquema de criptomoeda que prometia aos investidores um retorno de até 15% dos ativos investidos.

“A defesa de Glaidson Acácio está ciente da prisão e até o momento sem acesso ao conteúdo das investigações. Só depois de uma análise adequada de toda a documentação poderemos nos expressar de maneira concreta ”, comentaram seus advogados.

Além da quantidade recorde de ativos digitais, a polícia confiscou cerca de US $ 3,6 milhões em dinheiro, relógios caros, 21 carros de luxo, valores em moeda estrangeira e documentos.

História do Brasil com Crypto Scams

O maior país em extensão territorial da América do Sul já havia chamado a atenção com pirâmides financeiras e golpes de criptomoeda que operavam dentro de suas fronteiras.

Por exemplo, no final de 2020, uma iniciativa conjunta entre o Departamento de Justiça dos Estados Unidos e as autoridades brasileiras – batizada de “Operação Egito” – acabou com a apreensão de US $ 25 milhões em moedas virtuais.

Os investigadores revelaram que confiscaram os bens de uma empresa chamada InDeal.
Curiosamente, o esquema fraudulento da pirâmide prometia aos investidores retornos de até 15% após um mês de investimento – bastante semelhante à consultoria de Glaidson Acácio.

A empresa deveria investir os fundos em outros criptoativos. Em vez disso, uma grande parte do dinheiro foi para os bolsos dos golpistas.

No mês passado, a cripto comunidade testemunhou outro incidente envolvendo um esquema de criptomoeda, quando a polícia brasileira prendeu o presidente do Bitcoin Banco Group – Claudio Oliveira.

De acordo com os promotores, o homem – mais conhecido como “O Rei do Bitcoin” – desviou 7.000 BTC de seus clientes. Calculado a partir dos preços de hoje, isso equivale a cerca de US $ 330 milhões.

 

Fonte: CryptoPotato

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8