Bancos em busca de equipe qualificada em criptoativos

De acordo com o LinkedIn, nos primeiros oito meses de 2021, o recrutamento de pessoas especializadas em criptomoedas pelos bancos cresceu 40% em relação ao ano anterior.

JP Morgan, Goldman Sachs, Deutsche Bank, Mellon, Citigroup, Wells Fargo, Merrill Lynch estão entre os bancos que contrataram mais funcionários especializados em criptoativos e blockchain.

De acordo com a Bloomberg, somente a partir de 2018, os principais bancos dos EUA teriam contratado cerca de 1.000 novos engenheiros especializados em criptomoedas, para desenvolver soluções para blockchain e criptomoedas. O Goldman Sachs supostamente contratou 82, o Wells Fargo contratou 74, a Fidelity 68 e o JP Morgan contratou 63.

Dados de uma empresa de recrutamento dos Estados Unidos, a Revelio, afirmam que os salários desses funcionários seriam até 50% maiores do que os salários tradicionais em marketing e desenvolvimento de software.

De acordo com o Financial Times, que entrevistou um headhunter baseado em Londres, os traders de criptomoedas podiam ganhar um salário médio de US $ 137 mil a US $ 273 mil, enquanto os programadores de blockchain podiam receber até US $ 337 mil por ano.

Bancos e criptomoedas, uma atitude contraditória.

Esta notícia evidencia uma certa contradição por parte dos bancos em relação ao mundo das criptomoedas. Sempre em palavras, os grandes bancos sempre foram muito críticos em relação ao Bitcoin e aos principais criptoativos.

Em 2017, o CEO do JP Morgan, Jamie Dimon, afirmou em termos inequívocos que o Bitcoin era uma farsa e logo desapareceria. Dimon comparou a grande ascensão do Bitcoin à bolha especulativa de tulipas do século XIX.

No entanto, em 2021, o próprio Dimon teve de admitir que o Bitcoin era do interesse de seus clientes e, portanto, o banco o ofereceu aos clientes mais ricos. Os analistas do banco previram um preço-alvo de US $ 135.000 para o Bitcoin em 2022.

O Goldman Sachs também criticou muito as criptomoedas nos últimos anos, mas há poucos dias seus analistas previram uma nova alta para a Ethereum que poderia ultrapassá-la em US $ 8.000 até o final do ano.

O CEO do Morgan Stanley, James Gorman, disse há poucos dias que acha que as criptomoedas não são uma moda passageira, embora ele não as considere um grande negócio para seu banco, no momento. Curiosamente, essas palavras vieram poucos dias após o anúncio de uma equipe de pesquisa interna do banco, sobre criptomoedas.

O próprio Morgan Stanley foi o primeiro grande banco dos EUA em março passado, a oferecer a seus clientes mais ricos a chance de investir em fundos de criptomoeda.

 

Fonte: Cryptonomist

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8