Hackers da CoinCheck já lavaram 40% do NEM roubado

Lavando o maior hack da história

Os hackers responsáveis pelo histórico roubo na Coincheck já lavaram 40 por cento dos quase 500 milhões de tokens em NEM (XEM) que foram roubados em janeiro de acordo com especialistas de cibersegurança.

Ao citar a pesquisa feita pelo grupo de consultoria de Tóquio L Plus, a Nikkei relata que os hackers lavaram um valor estimado de 200 milhões de XEM, até o momento, avaliados em $79.3 milhões de dólares no mercado aberto.

No entanto, é provável que os hackers tenham na verdade lavado bem menos que isso, visto que existem evidências de que, provavelmente, os fundos foram lavados através da dark web em virtude dos esforços da NEM Foundation e de respeitáveis exchanges em bloquear a negociação dos fundos roubados.

Leia mais: Bitcoin Cash começa a se recuperar após atingir sua marca mais baixa das últimas 4 semanas

O alvo é fiat

Segundo informações, o departamento metropolitano de polícia de Tóquio disponibilizou cerca de 100 policiais na investigação do hack da Coincheck, e esta força-tarefa identificou atividades suspeitas na exchange nas semanas antes do roubo.

Aparentemente, os hackers se infiltraram nos servidores da Coincheck após hackear uma conta de email de um dos funcionários da exchange, na qual forneceu acesso à chave privada da hot wallet (carteira online) da plataforma NEM e, por meio dela, roubaram 500 milhões em XEM – avaliados em $530 milhões de dólares durante a época do hack, mas avaliados em apenas $198 milhões de dólares hoje.

Uma fonte anônima familiarizada com a investigação disse à Nikkei que os fundos lavados, no qual foram em grande parte negociados por Bitcoin, serão provavelmente convertidos em moedas fiat. Não está claro se alguma quantia dos fundos roubados foi sacada.

A identidade dos hackers ainda continua um mistério, no entanto, outras reportagens disseram que o ataque se parece com outros ciberataques ligados a hackers financiados pelo estado da Coreia do Norte.

Efeitos colaterais

Os órgãos reguladores do sistema financeiro japonês têm intensificado a fiscalização nas exchanges de criptomoedas após o hack, e as plataformas de negociação credenciadas no país anunciaram que desenvolverão um órgão auto regulador que, se aprovado pelo governo, poderá fiscalizar seus próprios membros.

A Coincheck pretende retornar as negociações esta semana após uma revisão de seus sistemas de segurança exigida pelo governo.

A exchange também começará a compensar os cerca de 260.000 clientes que perderam seus fundos por causa do hack. É importante ressaltar que os usuários serão compensados em fiat em no valor de quase 89 JPY (~$0.83 centavos de dólar) por cada token, o que é mais do que o dobro da taxa de câmbio entre XEM/JPY.

Fonte: CCN.com

Foto de Andre Cardoso
Foto de Andre Cardoso O autor:

André , ariano, engenheiro, empreendedor, trader de criptos profissional, palestrante e professor. Adora números, gráficos e aprender coisas novas.

andre.cardoso.btc/