Indústria de jogos adotará NFTs rapidamente, apesar do retrocesso

O cofundador do Sandbox acredita que 2022 será um ano de ruptura para os NFTs nos jogos, e explica o “risco” do impulso do Facebook no metaverso

Indústria de jogos adotará NFTs rapidamente, apesar do retrocesso

Os jogos rapidamente se tornaram um setor significativo da indústria de NFT em desenvolvimento. O jogo Ethereum “jogue para ganhar“, Axie Infinity , gerou US $ 3,8 bilhões em volume de negócios até o momento, enquanto jogos de metaverso como The Sandbox e Decentraland se beneficiaram com o hype crescente em torno da terra digital.

Mas enquanto os projetos de jogos NFT cripto-nativos estão crescendo e prosperando, tem havido uma resistência significativa de jogadores e fãs na indústria de videogame tradicional. Ubisoft, a editora de jogos proeminentes por trás de Assassin’s Creed e Just Dance, lançou recentemente uma plataforma NFT de jogo baseada em Tezos chamada Quartz – e recebeu uma enorme resistência nas redes sociais.

O estúdio está se mantendo firme, mas o estúdio menor GSC Game World cancelou os planos de adicionar NFTs ao seu próximo jogo STALKER 2, e o serviço de bate-papo para jogos Discord – também popular com DAOs e comunidades de cripto – interrompeu os planos para integrar crypto wallets após uma reação avassaladora dos jogadores.

Sebastien Borget, co-fundador e diretor de operações do The Sandbox, disse à Decrypt que tal atrito dos jogadores é “inevitável“, dadas as mudanças significativas que os itens NFT de propriedade do usuário e as economias de tokenização dos jogos representam.

A criação de jogos em torno de NFTs e tokens, diz ele, pode sacudir a experiência do jogo ao fornecer benefícios monetários aos jogadores, permitindo-lhes comprar e vender gratuitamente itens do jogo de sua propriedade e, potencialmente, até mesmo usar itens em vários jogos e plataformas online.

Ainda assim, apesar da reação, Borget acredita que a adoção de jogos criptos pela indústria de jogos em geral ocorrerá rapidamente em 2022, após sucessos recentes no setor.

“Todos os estúdios de jogos que conheço – da maior e mais importante empresa à menor – terão um produto, senão muitos, envolvendo blockchain em 2022”.

Disse ele.

“O que isso criará é a transição do modelo de negócios mais rápida e mais adotada que já vimos.”

Um NFT atua como uma escritura de propriedade de um item digital individual e exclusivo. Esses tokens são cunhados no livro-razão imutável de plataformas de blockchain como Ethereum e Solana, fornecendo escassez comprovada e a capacidade de comprar, vender e transferir tais ativos.

No caso de jogos, um NFT pode servir como um personagem ou avatar único, um design de arma distinto, um terreno virtual e muito mais. The Sandbox, um jogo de metaverso de mundo compartilhado, usa NFTs para representar terras, avatares e muito mais. Axie Infinity, por sua vez, lança seus monstros coloridos como NFTs colecionáveis, junto com lotes de terreno e outros itens.

Esses ativos NFTs são realmente propriedade dos jogadores e podem ser vendidos ou negociados, e podem acumular valor com o tempo. Essa é uma grande diferença em relação aos jogos atuais como Fortnite e Roblox, nos quais os jogadores pagam dinheiro real por moeda virtual e depois trocam por itens digitais – mas esses itens estão bloqueados no mundo do jogo e não podem ser revendidos.

Alguns proponentes do Web3 o descrevem como “alugar” os itens digitais: eles ainda pertencem tecnicamente à editora do jogo.

O advento de itens NFT no jogo e modelos de token, play-to-gain, não é a primeira mudança no modelo de negócios na indústria de jogos a enfrentar uma reação negativa: conteúdo para download (DLC) e modelos de jogos gratuitos também foram condenados no início antes de eventualmente se tornarem padrões da indústria.

Pode levar algum tempo para demonstrar os benefícios potenciais para um público que está apreensivo com a mudança.

“Atrito dos jogadores – sim, é esperado. A sociedade às vezes não evolui tão rápido quanto os modelos de negócios e a tecnologia evoluem”. Disse Borget.

Ele sugeriu que os jogadores não deveriam temer um novo modelo de propriedade de item digital apenas porque eles “cresceram no modelo antigo” e já investiram tempo e dinheiro nele.

Borget acredita que os jogadores mais jovens, aqueles que cresceram em um mundo digital primeiro e estão acostumados com jogos alimentados por conteúdo premium complementar, irão adotar jogos centrados em NFT o mais rápido possível.

“Será apenas a norma que qualquer coisa que eles possuam virtualmente seja valioso, porque eles os possuem e podem transferi-los para onde quiserem”, disse ele.

Meta contra o metaverso

A estrela do Sandbox subiu nos últimos meses e, embora parte disso possa ser devido a alianças de alto nível com Snoop Dogg, franquia The Walking Dead e outras marcas e celebridades, outro fator chave é o grande impulso do Facebook no metaverso.

No final de outubro, o Facebook demonstrou sua visão para o futuro da internet: um metaverso online no qual os usuários brincam, trabalham e socializam em espaços 3D compartilhados usando avatares. A empresa mostrou o CEO Mark Zuckerberg como um avatar de desenho animado e sugeriu potencial integração e vendas de NFT, além do Facebook renomear sua empresa-mãe para Meta no processo.

https://twitter.com/SnoopDogg/status/1466875540783071235?s=20

Mas, como um gigante da tecnologia centralizada, muitos na comunidade de criptoativos temem que o Facebook tente possuir ou dominar o conceito do metaverso, e não está claro o quão aberta e interoperável sua versão será. Um memorando interno que vazou recentemente sugere que o Facebook está aberto à compatibilidade com a blockchain, mas a empresa ainda não fez declarações públicas a respeito.

A Animoca Brands – a empresa controladora da The Sandbox é um grande investidor em startups de cripto – é uma das empresas que está reagindo. O cofundador e presidente executivo Yat Siu disse à Decrypt em outubro que, vê o Facebook e a empresa de tecnologia chinesa Tencent como, “uma ameaça“, para um metaverso aberto, e que a Animoca está “com pressa” para financiar sua visão interoperável.

Enquanto isso, em novembro, o cofundador e líder de crescimento do Axie Infinity, Jeff Zirlin, disse na conferência NFT BZL que o jogo Meta do Facebook é uma “batalha pelo futuro da internet“, e que as empresas centralizadas querem “comprar a alma da internet. ”

Borget disse à Decrypt que concorda “muito” com os comentários de ambos os colegas.

“Há um risco se não nos levantarmos e não mostrarmos que existe um caminho a seguir no qual os usuários podem estar no centro da produção de valor – e serem recompensados ​​por seu valor por meio de verdadeira propriedade e autossoberania”.

Borget disse.

“Então, o metaverso se torna o mesmo que Web2, onde os usuários estão sendo monetizados como um produto.”

Essa versão centralizada do metaverso “não seria diferente do que vimos há 20 anos com o Second Life”, disse ele, referindo-se ao jogo de mundo virtual da Linden Labs em 2003, frequentemente apontado como um precursor de iniciativas modernas de metaverso.

Seria um “lugar chato, sem imaginação”, acrescentou ele, se o Facebook criar com sucesso um metaverso centralizado enraizado em modelos da Web2 em vez de adotar a tecnologia blockchain e economias de propriedade do usuário.

“O metaverso é um conceito fantástico que pode moldar a tecnologia para sempre – como nós, como seres humanos, interagimos”.

Explicou Borget.

“Quero beneficiar a todos igualmente, e é uma nova chance de fazer as coisas melhor, não apenas para lucro ou visão de curto prazo, mas mais como: Como moldamos o futuro para a próxima geração de usuários?”

Fonte: DeCrypt

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8