Investimento imobiliário na Espanha sobe 400%, após aceitação de pagamentos com cripto

Contra Capa 45

Espanha vê interesse em investimento imobiliário crescer devido a aceitação de pagamentos com criptomoedas e ações

Dados do mercado imobiliário espanhol mostram que o interesse no setor aumentou 400% desde novembro, pois se tornou um porto seguro para os investidores em meio à instabilidade macroeconômica, inflação e aumentos de preços agravados pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

Quando se considera o impacto de curto prazo que a inflação e a guerra na Ucrânia têm em outros segmentos da economia global, como o mercado de ações, o setor imobiliário se torna um local atraente para investir, pois atualmente é um valor de refúgio muito solvente em face de incerteza, de acordo com dados recolhidos pela Inviertis uma empresa que permite aos clientes investirem em imóveis alugados relata Europa Press.

Alguns investidores chegaram a movimentar fundos de outros investimentos potencialmente mais arriscados, como ações e criptomoedas, a fim de buscar segurança no mercado imobiliário.

Rebeca Pérez, CEO e fundadora da Inviertis, explicou:

Os investidores estão retirando tudo o que tinham na bolsa e estão investindo em imóveis para preservar seus ativos, situação que se acentuou desde a invasão militar russa da Ucrânia.

Criptomoedas ganham destaque no setor

Normalmente, o setor imobiliário atrai investidores modestos que geralmente não negociam no mercado de criptomoedas. No entanto, tendo visto o seu dinheiro diminuir nos Bancos, alguns investidores começam a recorrer às criptomoedas no âmbito do investimento imobiliário, com acentuação desta tendência nos últimos dois meses.

Como destaca Pérez, a principal vantagem de usar criptomoedas para comprar imóveis “é que você transforma um investimento arriscado em conservador e, se tive a sorte de ter entrado no mundo das criptomoedas em 2012, por exemplo, pode comprar uma casa por € 200 na época.”

Ela, no entanto, afirmou que existem questões administrativas:

Os inconvenientes são, sobretudo, de natureza administrativa, como fixar o preço do Bitcoin, como fazer a transação, como informar corretamente o cartório ou como regularizar a transação perante a Fazenda Pública.

Uso de criptomoedas em imóveis ainda em estágio inicial

Vicenç Hernández Reche, consultor da Inviertis e diretor executivo de negócio de gestão e formalização de hipotecas Tecnotramit, reconheceu que o uso de criptomoedas no setor imobiliário “ainda está em um estágio muito inicial”.

Uma coisa é usá-los como investimento especulativo, como aquele que compra dólares ou ouro, e outra é fazê-lo como moeda de troca de imóveis. Certamente, à medida que seu uso e adaptação por intermediários, instituições financeiras, notários e registradores de propriedades, entre outros, aumentar, poderemos ver um uso mais amplo de criptomoedas.

Em outros lugares, como nos EUA, o gerente de Justin Bieber vendeu uma mansão por US$ 18,5 milhões em Bitcoin apenas dois meses atrás, enquanto a corretora de imóveis de Nova York Algocap Real Estate anunciou no ano passado que começaria a aceitar criptomoedas como Bitcoin, Dogecoin e Ethereum para transações.

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno. Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_