Mineradoras de criptomoedas no Irã poderão sofrer apagão no dia 22

Irã

Governo iraniano informa às mais de 1000 mineradoras licenciados de criptomoedas que sofreram corte de energia em breve

De acordo com a publicação do Tehran Times, o governo decidiu garantir que os cidadãos tenham eletricidade suficiente. Mostafa Rajabi Mashhadi, porta-voz do Ministério da Energia iraniano, indicou que o país asiático espera uma maior taxa de uso de energia a partir da próxima semana.

Ele informou que durante o período de pico da semana passada, o consumo do país atingiu uma nova alta de 62,5 mil megawatts (MW). Na próxima semana, esse número deve crescer para 63.000 MW. Para evitar um apagão, o governo foi forçado a intervir.

Aglomerações dos ursos proporciona momentos difíceis para as mineradoras

O governo concedeu mais de 1.000 licenças de mineração de criptomoedas a várias empresas desde que o Irã autorizou as mineradoras de criptomoedas como uma atividade econômica, de acordo com o Tehran Times.

Além das operações licenciadas, o país tem um grande número de mineradoras de criptomoedas não licenciados que estão colocando pressão adicional na rede nacional. Em vários períodos, o governo tentou reprimir esses players sem muito sucesso.

Os mineradores de criptomoedas estão começando a perceber que o custo de mineração de Bitcoin e Ethereum está se tornando não lucrativo, pois o valor dessas moedas continua caindo para novos mínimos.

De acordo com o CryptoRank, o preço do Bitcoin caiu a ponto de a mineração não ser mais econômica. Segundo dados, o custo médio de mineração e o preço do Bitcoin agora são iguais.

Em 17 de junho, enquanto o Bitcoin estava sendo negociado acima de US$ 20.000, esses dados foram divulgados. Desde então, o preço caiu abaixo de US$ 18.000. Apesar de alguma recuperação posterior, a mineração do principal ativo ainda é mais ou menos lucrativa.

No caso do Ethereum, o custo médio da eletricidade na Europa e nos Estados Unidos torna a mineração não lucrativa. Para colocar as coisas em perspectiva, um minerador com um único sistema Nvidia 3090 ganharia pouco mais de US$ 2 por dia em incentivos. O minerador, por outro lado, estaria pagando pela eletricidade além da recompensa do bloco.

Mineradores ilegais de Bitcoin e sua história

De acordo com a pesquisa de crimes criptos da Chainalysis, as mineradoras de Bitcoin contribuiu com mais de US$ 186 milhões para serviços de criptomoeda baseados no Irã entre 2015 e 2021. Os mineradores ilegais de Bitcoin foram responsáveis ​​por cerca de 85% da atividade de criptomoeda no Irã, de acordo com o relatório, que também foi confirmado pelo presidente do Irã.

Segundo dados de uma pesquisa, várias exchenges que operavam em jurisdições onde não havia sanções continuaram a fornecer serviços financeiros a empresas iranianas. Fora do Irã, os serviços receberam US$ 1,16 bilhão em 2021, mais que o dobro do valor recebido em 2020.

Nos últimos dois anos, as autoridades iranianas fecharam 6.914 fazendas de criptomoedas que operavam sem uma licença legítima. Desde 2020, quando a administração da rede elétrica nacional começou a culpar a mineração de criptomoedas por interromper o fornecimento de eletricidade do Irã, as autoridades locais vêm reprimindo empresas ilegais de mineração de criptomoedas.

Conforme publicado por uma agência de notícias iraniana, essas fazendas de criptomoedas consumiram mais de 645 megawatts de eletricidade enquanto operavam sem licença.

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno. Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_