Paul Tudor Jones compra Bitcoin como um hedge contra a inflação

Paul Tudor Jones II é um gerente de fundos de hedge, conservacionista e filantropo americano

O investidor Paul Tudor Jones está comprando Bitcoin como um hedge contra a inflação que vê saindo da impressão de dinheiro do banco central, dizendo aos clientes que isso o lembra do papel que o ouro desempenhou na década de 1970.

“A melhor estratégia para maximizar o lucro é possuir o cavalo mais rápido”, disse Jones, fundador e diretor executivo da Tudor Investment Corp., em nota de mercado, intitulando “The Great Monetary Inflation” (A Grande Inflação Monetária). “Se sou forçado a previsão, minha aposta é que será o Bitcoin. ”

Jones, que disse que seu fundo Tudor BVI pode conter até uma porcentagem baixa de um dígito de seus ativos em futuros de Bitcoin, se torna um dos primeiros grandes gestores de fundos de hedge a adotar o que até agora tem sido em grande parte uma moda financeira com poucos adeptos tradicionais . Ele disse que estava motivado a analisar com atenção o Bitcoin depois de considerar as implicações de gastos fiscais maciços e compra de títulos pelos bancos centrais para combater a pandemia de coronavírus.

Segundo seu cálculo, US$ 3,9 trilhões em dinheiro, o equivalente a 6,6% da produção econômica global, foram impressos desde fevereiro.

“Aconteceu globalmente com tanta velocidade que até um veterano do mercado como eu ficou sem palavras”, escreveu Jones. “Estamos testemunhando a Grande Inflação Monetária – uma expansão sem precedentes de toda forma de dinheiro, diferente de tudo o que o mundo desenvolvido já viu”.

A pergunta para um macro investidor como Jones era como fazer hedge. Ele disse que considerou várias apostas em ouro, títulos do tesouro, certos tipos de ações, moedas e commodities.

Paul Tudor Jones entrou no Bitcoin pela primeira vez em 2017, dobrando seu dinheiro antes de sair perto do seu pico, em quase US$ 20.000. Desta vez, ele disse que avaliou o Bitcoin como uma reserva de valor e decidiu que ele passaria no teste com base em quatro características: poder de compra, confiabilidade, liquidez e portabilidade.

“Eu não sou o cara do dinheiro vivo nem uma crypto nut (cripto noz)”, escreveu ele. “O argumento mais convincente para se possuir o Bitcoin é a próxima digitalização da moeda em todos os lugares, acelerada pela Covid-19.”

Fonte: Bloomberg

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.