Pumps nas altcoins: o ‘Efeito Coinbase’ estaria de volta?

Parece que as listagens na gigante Coinbase estão novamente refletindo nos preços de algumas altcoins, algo que ficou um tempo sem acontecer.

Poucos dias atrás, em 14 de maio, a exchange Coinbase anunciou a listagem da altcoin Omise Go (OMG), uma midcap popular originalmente lançada em 2017, tanto em sua plataforma de trade padrão quanto na versão Pro.

Desde então, temos um aumento de 150% no preço da moeda, levantando especulações de que o uma vez poderoso (porém ultimamente nem tanto) “Efeito Coinbase” retornou às criptos. Tal efeito acontecia visto que a Coinbase é uma das exchanges de criptomoedas mais populares no mundo e tem sido bem seletiva ao listar altcoins. Enquanto a maioria de outras top exchanges tem listado centenas de outros criptoativos, a Coinbase por anos tem listado apenas projetos considerados do ‘top tier‘.

Gráfico da OMG. Fonte: TradingView.

Antes de 2018, uma listagem na Coinbase coincidia paralelamente com um aumento no valor de qualquer altcoin que entrasse para trading na plataforma. Mas a partir de 2018, com o começo de um enorme bear market, parece que o “efeito” não tinha mais sentido.

Nem tudo é sucesso…

Pegue por exemplo o Basic Attention Token (BAT), uma famosa altcoin desenvolvida em conjunto com o navegador de internet Brave. Listada em 8 de novembro de 2018, a BAT começou a derrapar ao invés de pumpar e dentro de um mês já tinha perdido metade do seu valor.

Gráfico da BAT. Fonte: TradingView.

Mais recentemente, a Chainlink (LINK) foi listada na Coinbase, no inverno de 2019. Porém, sua estreia no trading da plataforma serviu como topo de uma tendência de alta e seu preço rapidamente caiu após a listagem.

Gráfico da LINK. Fonte: TradingView.

Vamos precisar ficar de olho na OMG para ver se ela mantém o pump inicial de 150%. Será esse um novo topo para a altcoin ou seria apenas o começo para uma constante temporada de ganhos?

Fonte: Cryptoglobe

Foto de Heslei de Oliveira
Foto de Heslei de Oliveira O autor:

Entuasiasta da tecnologia blockchain desde 2017, faz de tudo um pouco quando se trata de criptomoedas - desde redação de artigos até fechamentos de acordos comerciais e de marketing. Um lema? Voa Bitcoin!