Vacina da Pfizer contra a COVID-19 recebe ‘OK’ para uso emergencial no Reino Unido

Vacina da Pfizer se torna a esperança do Reino Unido para conter o avanço da doença

vacina Pfizer

A Pfizer e a BioNTech disseram na quarta-feira que ganharam permissão para o uso emergencial de sua vacina contra a COVID-19 na Grã-Bretanha, a primeira vacina de coronavírus do mundo apoiada por ciência rigorosa – e um grande passo para acabar com a pandemia.

A medida torna a Grã-Bretanha um dos primeiros países a começar a vacinar sua população enquanto tenta conter o surto de COVID-19 mais mortal da Europa.

Outros países não ficam muito atrás: os EUA e a União Europeia também estão examinando a injeção da Pfizer junto com uma vacina semelhante feita pela concorrente Moderna Inc. Os reguladores britânicos também estão considerando outra injeção feita pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford.

A mídia britânica noticiou que hospitais na Inglaterra foram instruídos a se preparar para começar a vacinar os profissionais de saúde já na próxima semana.

A Pfizer disse que começaria imediatamente a enviar suprimentos limitados para o Reino Unido – e está se preparando para uma distribuição ainda mais ampla se receber um aceno semelhante da Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA, uma decisão esperada já na próxima semana.

Mas as doses em todos os lugares são escassas e os suprimentos iniciais serão racionados até que mais sejam fabricados nos primeiros meses do próximo ano.

O CEO da Pfizer, Albert Bourla, classificou a decisão do Reino Unido como “um momento histórico”.

“Estamos nos concentrando em agir com o mesmo nível de urgência para fornecer com segurança uma vacina de alta qualidade em todo o mundo”, disse Bourla em um comunicado.

Embora o Reino Unido tenha encomendado vacinas da Pfizer suficientes para 20 milhões de pessoas, não está claro quantas chegarão até o final do ano. Além dos desafios de distribuição, a vacina Pfizer deve ser armazenada em temperaturas ultra-baixas. Duas doses com três semanas de intervalo são necessárias para proteção.

O governo do Reino Unido diz que os profissionais de saúde da linha de frente e residentes de lares de idosos serão os primeiros na fila para serem vacinados, seguidos por adultos mais velhos.

Mas o primeiro-ministro Boris Johnson advertiu que “devemos primeiro navegar em um inverno difícil” de restrições para tentar conter o vírus até que haja vacina suficiente para o Reino Unido.

Testes e mais testes

Cada país tem regras diferentes para determinar quando uma vacina experimental é segura e eficaz o suficiente para uso. A pressão política intensa para ser o primeiro a lançar um tiro rigorosamente testado cientificamente influenciou a corrida nos EUA e na Grã-Bretanha, mesmo com os pesquisadores se comprometendo a não tomar atalhos. Em contraste, a China e a Rússia ofereceram vacinas diferentes aos seus cidadãos antes dos testes em fase final.

As vacinas feitas pela Pfizer, com sede nos EUA, e seu parceiro alemão BioNTech, foram testadas em dezenas de milhares de pessoas. E embora esse estudo não esteja completo, os primeiros resultados sugerem que a vacina é 95% eficaz na prevenção COVID-19 leve a grave. As empresas disseram aos reguladores que das primeiras 170 infecções detectadas nos voluntários do estudo, apenas oito estavam entre as pessoas que receberam a vacina real e o resto tinha recebido uma injeção simulada.

“Esta é uma proteção extraordinariamente forte”, disse o Dr. Ugur Sahin, CEO da BioNTech, recentemente à Associated Press.

As empresas também não relataram efeitos colaterais graves, embora os destinatários da vacina possam sentir dor temporária e reações semelhantes às da gripe imediatamente após as injeções.

Mas os especialistas alertam que uma vacina liberada para uso emergencial ainda é experimental e o teste final deve ser concluído. Ainda não foi determinado se as injeções da Pfizer-BioNTech protegem contra pessoas que espalham o coronavírus sem apresentar sintomas. Outra questão é quanto tempo dura a proteção.

A vacina também foi testada em apenas um pequeno número de crianças, nenhuma com menos de 12 anos, e não há informações sobre seus efeitos em mulheres grávidas.

Fonte: AL.com

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.