Venezuelanos estão vendendo Petro (recebido do airdrop de Nicolás Maduro) na LocalBitcoins

Maduro tem tentado com afinco aumentar o uso do Petro no cotidiano dos venezuelanos

As pessoas na Venezuela supostamente estão vendendo Petro que receberam por meio de um airdrop do governo. A plataforma de negociação de criptomoedas, LocalBitcoins, tem sido escolhida para a venda dos tokens.

De acordo com um usuário venezuelano do Reddit, semanas atrás o governo do país ofereceu 0,5 PTR para funcionários públicos e aposentados, alegando ter atingido um total de 6 milhões de pessoas com o lançamento da criptomoeda apoiada no petróleo. Para receber os tokens, os venezuelanos tiveram que acessar uma plataforma chamada “Patria” usando seu ID.

Como o Petro é supostamente apoiado pelas reservas de petróleo da Venezuela, o Redditor observou que os 0,5 PTR valem, segundo o governo, US$ 30, já que o preço de um Petro é equivalente à um barril de petróleo bruto.

O Redditor detalha que havia apenas duas plataformas permitindo que as pessoas usassem a criptomoeda lastreada em petróleo para pagar por bens dos serviços no país, mas que ambas as plataformas foram desativadas pelo governo por causa de seus efeitos na taxa de câmbio do bolívar.

Como resultado, aqueles que receberam o airdrop de Petro estão tentando vender seus tokens na LocalBitcoins, exchange peer-to-peer, e com isso o preço caiu para metade do valor original. Embora também seja possível trocar os Petros em plataformas aprovadas pelo governo, ele segue sendo precificado em US$ 60 por unidade.

Conforme informou o CryptoGlobe no início deste ano, o presidente venezuelano Nicolas Maduro alega que seis milhões de famílias usaram a criptomoeda lastreada em petróleo durante as férias como método de pagamento, presumivelmente no momento em que os tokens do airdrop eram utilizáveis ​​nas plataformas agora desativadas.

O governo venezuelano trabalhou no lançamento de um cartão de crédito e um sistema de ponto de venda para apoiar o Petro. O projeto foi sancionado pelo estado gerando a CritpoLAGO, uma exchange cripto autorizada pelo governo, com o apoio do banco de investimentos Glufco, disponizilizando além do Petro, BTC, DASH e ETH.

A Venezuela tenta há um mês reforçar o uso do Petro, mas o sucesso de suas tentativas não é claro até o momento.

Fonte: Crypto Globe

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.