Você sabe como o preço do Bitcoin se comportou antes do último halving?

Terceiro halving do Bitcoin deve ocorrer em 12 de maio de 2020

Ah o halving! Envolto em uma mística de bull run, é muito comum ouvir as pessoas falando sobre como o Bitcoin irá subir depois do halving. Ou que a proximidade do halving é um momento de grande otimismo, o que faz o preço “decolar”.  Como ver o futuro é bastante difícil, será que olhando para o passado conseguimos confirmar essa teoria de que halving é igual à alta? Afinal, você sabe/lembra como o preço do BTC se comportou antes do segundo halving do Bitcoin.

Pois bem, voltemos para junho de 2016, o mês que antecedeu o segundo halving do Bitcoin (o evento em si ocorreu no dia 10 de julho). À época (junho de 2016), ainda falamos de um Bitcoin pouco difundido no imaginário popular, praticamente esquecido pela grande mídia.

Se quisesse comprar BTC nesse período, você teria que desembolsar 534 dólares por unidade no primeiro dia do mês mencionado. Na metade do mês, no dia 16, a mesma unidade poderia chegar a 771 dólares. Disso já percebemos que a volatilidade do BTC é velha conhecida.

Voltando bem pouco no tempo, em 20 de maio de 2016, o Bitcoin chegou a ser negociado por 437 dólares. Então tomando os números citados por referência, de 20 de maio de 2016 até 16 de junho do mesmo ano, o Bitcoin subiu 334 dólares, ou 76% de alta em menos de um mês.

Ou seja, nos dois meses que antecederam o halving, o Bitcoin chegou a variar 76% para cima. Na data do evento em si o preço já havia caído para 647 dólares.

halving bitcoin 2016

Gráfico por: TradingView

 

Se nos basearmos exclusivamente no último halving, já seria possível afirmar que sim, o halving faz o Bitcoin subir às vésperas do evento. Entretanto, se trouxermos para o cenário atual, essa afirmação seria confirmada? A resposta curta é não.

O próximo halving deve ocorrer em 12 de maio, portanto, se voltarmos exatos 2 meses chegaremos em 12 de março, o dia da grande queda do BTC em 2020. Como essa data é algo fora da curva e não nos ajuda, usemos o dia anterior. Em 11 de março o BTC era negociado por aproximadamente US$ 7.900. De lá para cá (faltando 12 dias para o halving), a máxima registrada foi de US$ 8988.

Essa movimentação de dois meses nos traria uma variação de alta pequena, o que não justificaria a afirmação “o Bitcoin sobe nas vésperas do halving” (lembrando que estamos nos baseando exclusivamente no último halving, muito mais documentado e seguido do que o primeiro).

Caso você esteja se perguntando o motivo do cálculo não ser baseado no fundo registrado no dia 12, a resposta é que considerando esse fundo como algo “normal”, teríamos que considerar que nos 3 meses que antecederam o halving, o Bitcoin caiu US$ 10.400 para menos de US$ 4.000. Ou seja, a variação negativa dessa queda seria mais representativa que a variação POSITIVA de US$ 3.800 para US$ 8988 (lembrando que em 2016 a maior variação às vésperas do halving foi positiva).

Gráfico por: TradingView

 

É claro que isso é apenas um exercício mental acerca do halving, mas fica claro que os tais “padrões” do Bitcoin não são tão certos como algumas pessoas afirmam. Não é definitivamente recomendado comprar Bitcoin baseado exclusivamente na premissa de que o o halving fará o preço subir.

*Esse texto não se configura uma recomendação de compra ou venda. Estude e invista com inteligência, sempre!

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.