Brave adiciona recurso de videochamadas criptografadas

O Brave está desafiando o domínio do Zoom no setor de videochamadas.

O Brave, um navegador de internet compatível com criptomoedas, anunciou na quarta-feira (27) o lançamento de um recurso de videochamadas criptografadas de ponta a ponta em seu navegador.

Apelidado de Brave Together, o recurso de chamada de vídeo é incorporado ao navegador Web e facilita a chamada entre dois participantes, podendo ser acessado por qualquer pessoa sem a necessidade de qualquer registro.

A plataforma de videochamadas do Brave é baseada no Jitsi, um software de videoconferência criptografado de código aberto, que foi endossado por Edward Snowden, o denunciante da NSA atualmente em exílio.

O navegador web também está testando suportar mais de dois participantes em uma única chamada em sua versão noturna. A empresa também lançou publicamente a versão de teste e está recebendo feedback.

“Nossa versão noturna para a América do Norte agora apresenta o Brave Together, nosso serviço de chamadas de vídeo privado e ilimitado baseado em código aberto @jitsinews. Clique no widget e comece a se conectar com amigos / colegas. Comentários bem-vindos em https://community.brave.com/c/nightly-builds/brave-together/136 para esta versão de avaliação. ”

O navegador de código aberto foi cofundado por Brendan Eich, criador de Javascript e ex-CEO do Mozilla. É conhecido por pagar a seus usuários com Basic Attention Tokens pela exibição de anúncios enquanto navega na Internet. Os tokens podem ser usados por qualquer usuário do navegador para contribuir com qualquer criador de conteúdo na Internet.

O navegador também manteve a privacidade uma prioridade.

A corrida das videochamadas

O Brave está lançando o recurso de chamada de vídeo criptografado quando a demanda por esses serviços aumentou significativamente com o lockdown causado pelo Coronavírus em todo o mundo.

Notavelmente, o Zoom, uma empresa que afirma oferecer serviços completos de videochamadas, viu um grande aumento no número de usuários, principalmente pelas chamadas carregadas de recursos. A plataforma tem 300 milhões de usuários semanais ativos.

A plataforma, no entanto, tornou-se muito controversa com bugs e também com reivindicações de falhas de segurança. As falhas do Zoom permitiram que qualquer pessoa sequestrasse qualquer videoconferência e resultou na publicação de conteúdo obsceno em chamadas ao vivo.

O Zoom foi banido de Taiwan e por muitas outras grandes empresas, incluindo a Tesla.

Com a falta de um aplicativo de videochamada adequado para atender à demanda das empresas, muitos players grandes estão entrando nesse mercado. O Facebook e o Google adicionaram recursos de videochamada em sua plataforma existente.

Fonte: financemagnates

Foto de Bruno Lugarini
Foto de Bruno Lugarini O autor:

Estudante de Sistema da Informação, técnico de informática, apaixonado por tecnologia, entusiasta das criptomoedas e Nerd.