Energia nuclear está no radar dos mineradores de Bitcoin

Mercado busca opções limpas e sustentáveis para garantir segurança e velocidade à rede.

Harry Sudok, vice-presidente da GRIID, participou do evento Bitcoin & Beyond Virtual Summit nesta quarta-feira (10). Segundo ele, o mercado de mineração de criptomoedas tem focado bastante em energia solar e eólica, mas negligenciado o potencial sustentável das usinas nucleares.

A empresa de Sudok é responsável por criar soluções de baixo custo e renováveis para mineradoras. O alto grau de eficiência energética das usinas nucleares é algo que pode beneficiar, no longo prazo, a expansão dos empreendimentos:

“A taxa de crescimento (das mineradoras) está altamente ligada às energias solar e eólica. Essa tem sido a realidade dos programas que têm sido executados ao longo dos últimos 8 a 10 anos. Mas o que realmente gostaríamos de ver é a expansão das usinas nucleares.”

Samson Mow, executivo estratégico da Blockstream, apoiou Sudok em sua proposta de implementar usinas nucleares para a mineração de ativos digitais. De acordo com Mow, existe muita desinformação a respeito de consumo de energia e mineração.

Muitos veículos de imprensa acreditam que as mineradoras são um verdadeiro problema para o meio ambiente, além de consumir quantidades exageradas de energia que poderiam ser utilizadas pelos outros. Contudo, não é assim que a coisa funciona:

“Mineração de Bitcoin ocupa apenas uma pequena porcentagem do consumo energético global. Se somos sujos, todos os outros são muito mais sujos, certo?”

Como funcionam as usinas nucleares

Em resumo, processos de reação nuclear, por meio de urânio e outros elementos químicos, são executados a fim de gerar calor. Esse calor criado é utilizado para gerar eletricidade. Por isso, usinas nucleares também são chamadas de termonucleares.

Atualmente, cerca de 16% de toda a energia elétrica mundial vem de usinas termonucleares. Cerca de 90% das usinas estão localizadas nos Estados Unidos, na Europa e em alguns países da Ásia.

Se bem executada, a usina nuclear é uma das opções mais limpas de produção energética. Também não é necessário desmatar grandes áreas para sua construção – o ideal é que esteja relativamente distante dos centros urbanos.

No entanto, acidentes nucleares podem causar grandes catástrofes, como doenças irreversíveis, deterioração da fauna por décadas etc.

Foto de Rafael Motta
Foto de Rafael Motta O autor:

Jornalista, trader e entusiasta de tecnologia desde a mais tenra juventude. Foi editor-chefe da revista internacional 21CRYPTOS e fundador da Escola do Bitcoin, primeira iniciativa educacional 100% ao vivo para o mercado descentralizado. Foi palestrante na BlockCrypto Conference, em 2018.