Número de instituições que compram futuros de criptomoedas dobrou em 2020

A subsidiária de ativos digitais Fidelity descobriu que o número de investidores institucionais dos EUA que compram produtos derivados de cripto saltou significativamente em 2020

A Fidelity Digital Assets disse que o sentimento institucional estava melhorando em relação às criptomoedas. “Quase 80% dos investidores pesquisados ​​descobriram algo atraente sobre a classe de ativos”, afirmou. Mas o que é muito mais interessante está bem no fundo da pesquisa.

Falando sobre como os investidores institucionais estão aumentando sua alocação de portfólio para criptomoedas – a principal, sem surpresa, sendo o Bitcoin – continua: “22% dos entrevistados dos EUA investidos em ativos digitais têm exposição via futuros, o que é um aumento substancial em relação a 9% dos investidores americanos pesquisados ​​em 2019. ”

A pesquisa, realizada entre novembro e março, falou com 774 instituições nos EUA e na Europa, com 393 vindas dos EUA. Isso significa que cerca de 86 instituições dos EUA negociaram futuros de criptomoedas este ano, em comparação com apenas 40 na pesquisa de 2019.

O relatório da Fidelity arrisca dizer que o “crescimento recente do mercado no número de provedores de serviços nativos e históricos, que oferecem contratos em dinheiro e futuros liquidados fisicamente”, pode ajudar a explicar esse grande aumento na exposição a futuros criptos entre instituições.

A Fidelity Investments, com sede em Boston, é um dos maiores gerenciadores de ativos do mundo. Em um comunicado de imprensa, ela afirmou ter mais de US$ 7,9 trilhões em ativos de clientes sob administração. Em 2018, lançou sua ala de ativos digitais para fornecer serviços de custódia e execução comercial para investidores institucionais sediados nos EUA. Em dezembro do ano passado, criou uma nova entidade para atender instituições na Europa.

A pesquisa, divulgada terça-feira, também descobriu que 36% dos entrevistados – 279 instituições nos EUA e na Europa – já investem atualmente em ativos digitais. Fundos de hedge e fundos de risco foram os dois grupos com maior exposição, embora a Fidelity também tenha encontrado uma forte exibição entre escritórios familiares e indivíduos de alto patrimônio líquido (HNWIs).

“Esses resultados confirmam uma tendência que estamos vendo no mercado em direção a um maior interesse e aceitação de ativos digitais como uma nova classe de ativos investíveis”, comentou Tom Jessop, presidente da Fidelity Digital Assets.

Curiosamente, parece que as instituições europeias (45%) eram muito mais propensas a manter cripto em comparação com suas contrapartes americanas (27%). Essa tendência também ocorreu em sentimentos, onde 82% dos investidores institucionais europeus encontraram algo atraente sobre ativos digitais, em oposição a 74% nos EUA.

Ainda assim, a pesquisa não especificou o que levou os investidores institucionais dos EUA a aumentar sua exposição a futuros de criptomoedas. O CoinDesk informou em um relatório da CryptoCompare na semana passada que descobriu que os volumes de negociação de derivativos de criptomoedas subiram para US$ 602 bilhões em maio, um novo recorde histórico. Os contratos de opções, em particular, pareciam mostrar o maior aumento em relação ao mês anterior.

Na época, o CEO da CryptoCompare, Charles Hayter, disse que o aumento pode indicar uma “classe de investidor mais sofisticada e diversificada” chegando ao mercado.

Texto adaptado de: CoinDesk

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.