FMI afirma que apenas 23% dos bancos centrais podem emitir legalmente moedas digitais

FMI explora se moedas digitais são dinheiro

O FMI publicou uma postagem de blog na quinta-feira explorando se o dinheiro digital é realmente dinheiro no sentido legal. A postagem é de autoria de Catalina Margulis, consultora da unidade de Direito Financeiro e Fiscal do Departamento Jurídico do FMI, e Arthur Rossi, pesquisador da mesma unidade. Expressando suas próprias opiniões, os autores começaram observando que “perto de 80 por cento dos bancos centrais do mundo não têm permissão para emitir uma moeda digital de acordo com suas leis existentes ou a estrutura legal não é clara”.

Eles continuaram:

“Para ajudar os países a fazer essa avaliação, revisamos as leis do banco central de 174 membros do FMI… e descobrimos que apenas cerca de 40 têm permissão legal para emitir moedas digitais.”

IMF Says Only 23% of Central Banks Can Legally Issue Digital Currencies

Antes da publicação desta postagem no blog, o FMI fez uma pesquisa no Twitter pedindo às pessoas que votassem se achavam que moedas digitais são realmente dinheiro. De 95.256 votos coletados, 79,9% disseram que sim.

IMF Says Only 23% of Central Banks Can Legally Issue Digital Currencies

O que se qualifica como moeda

Os pesquisadores do FMI observaram que “para se qualificar legalmente como moeda, um meio de pagamento deve ser considerado como tal pelas leis do país e ser denominado em sua unidade monetária oficial. Uma moeda normalmente tem curso legal, o que significa que os devedores podem pagar suas obrigações transferindo-a para os credores.” Eles detalharam:

“Portanto, o status de curso legal geralmente só é concedido a meios de pagamento que podem ser facilmente recebidos e usados ​​pela maioria da população.”

É por isso que as notas e moedas são a forma mais comum de moeda. Os autores observaram que, para “usar moedas digitais, a infraestrutura digital – laptops, smartphones, conectividade – deve primeiro estar em vigor”. No entanto, eles apontaram que “os governos não podem impor aos seus cidadãos que o tenham, portanto, conceder o status de curso legal a um instrumento digital do banco central pode ser um desafio”.

O corpo técnico do FMI também mencionou algumas questões jurídicas levantadas pela criação de moedas digitais do banco central (CBDCs). Entre as áreas de preocupação estão “impostos, propriedades, contratos e leis de insolvência; sistemas de pagamentos; privacidade e proteção de dados; mais fundamentalmente, prevenir a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo”, descreveram os pesquisadores do FMI. Em conclusão, embora observando que “Sem a designação de curso legal, atingir o status de moeda plena pode ser igualmente desafiador”, os pesquisadores enfatizaram:

“Muitos meios de pagamento amplamente usados ​​nas economias avançadas não têm curso legal nem moeda.”

Fonte: Bitcoin.com

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.