Juíza dos EUA determina prazo para Craig Wright acessar 1,1 milhão de Bitcoin

Craig S. Wright, um dos engenheiros da criptomoeda, obteve uma pequena vitória no tribunal na sexta-feira (10). 

A juíza distrital dos Estados Unidos, Beth Bloom, disse que os fatos previamente estabelecidos no julgamento de Craig S. Wright, estavam agora em disputa, de acordo com um documento apresentado em 10 de janeiro ao Tribunal Distrital do Sul da Flórida.

Está é a última entrega do documento em julgamento instaurado por Ira Kleiman, irmão do falecido parceiro de negócios de Craig  Wright, David Kleiman. Kleiman está processando Craig , pela metade de uma fortuna de US$ 8,87 bilhões, ou seja, 1,1 milhão de bitcoin, supostamente criptografados em um “Tulip Trust”.

Concluindo uma audiência de sanções e desprezo, o magistrado do distrito Bruce Reinhart estabeleceu para o cientista-chefe do nChain, desacato ao tribunal por não produzir uma lista completa de suas participações em bitcoins adquiridas antes de 31 de dezembro de 2013.

Reinhart concedeu a Kleiman US$650.000 em despesas legais e considerou um fato que o requerente detém uma propriedade de metade dos ativos e propriedade intelectual de Craig , desenvolvido em conjunto com David Kleiman. Reinhart também questionou a validade do testemunho de Wright, descrevendo-o como “contraditório”. Wright chamou essas sanções de “draconianas”.

A juíza Bloom, diz que os fatos não foram esclarecidos. A audiência anterior estava focada apenas na quantidade e localização do bitcoin de Wright, ela disse, então a parceria de Wright com David Kleiman estava além da competência do juiz Reinhart. Ela também afirma que a quantidade de bitcoin no centro do caso “continua sendo um problema”. 

Foi concedido a Wright um pedido para estender um período de descoberta, para que uma suposta chave possa desbloquear o Tulip Trust criptografado. Craig afirma que o Trust está inacessível no momento, porque várias chaves são mantidas por um intermediário sem nome. 

Wright tem até 3 de fevereiro para registrar uma notificação ao tribunal de que a suposta chave apareceu. 

“O Tribunal questiona se é remotamente plausível que a misteriosa chave chegue, muito menos que ela chegará em janeiro de 2020, como agora o réu sustenta”, escreve Bloom.

Wright testemunhou anteriormente que seria “impossível” cumprir a ordem judicial para identificar seu bitcoin antes que a chave vinculada devolvesse 100% dos ativos ao seu controle em 1 de janeiro de 2020.

Wright não confirmou publicamente se a chave chegou e se não moveu o bitcoin que, segundo se diz, está guardando com o Trust.

Problemas com o Trust

Um dia antes de reversão da Juíza Bloom, as evidências de um terceiro Tulip Trust entrou nos registros do tribunal público, o que poderia anular muito do que se sabia anteriormente sobre o caso. 

No documento original do Trust, afirma-se que Wright confiou todos os seus ativos de criptomoedas a David Kleiman em 2012, para ser devolvido na íntegra oito anos depois. Isso desafia diretamente a alegação de Ira Kleiman, de que Craig privou o bitcoin de seu irmão. Em outros lugares, Kleiman enviou mensagens de Wright mostrando que ele deve 30% das participações do Trust. 

Perguntas sobre a legitimidade do documento Tulip Trust foram divulgadas, pois contém um tipo de fonte criado em 2015. Wright disse que isso deve-se a um scanner judicial usando uma versão mais nova da fonte. 

Enterrado entre 428 outros documentos, o depósito do Tulip Trust III pode conter evidências de quem realmente possui o bitcoin extraído em conjunto por Wright e pelo falecido Dave Kleiman. Os detalhes do documento são desconhecidos e Wright solicitou que permanecesse selado. Ele recebeu 10 dias para produzir uma versão editada.

Wright apresentou o documento “sem nenhuma explicação sobre sua divulgação tardia ou mesmo um e-mail” sinalizando sua produção, segundo o advogado do demandante Velvel Freedman, da Roche Freedman LLP.

No processo mais recente, a juíza Bloom confirmou que a opinião de que Wright obstruiu intencionalmente os processos judiciais e sancionou as sanções legais de Kleiman.

“Wright foi evasivo, recusou-se a dar e interpretar palavras em seus significados muito básicos, foi combativo e se tornou defensivo quando confrontado com inconsistências anteriores”, escreveu Bloom. 

Kleiman é representado por Kyle Roche e Velvel Freedman da Roche Freedman LLP, enquanto Wright é representado pela Rivero Mestre LLP. Nenhuma das partes respondeu sobre o assunto até o momento. 

Tendo se oferecido para resolver a disputa amigavelmente, Craig reabriu o julgamento em 31 de outubro. Desde então, os dois lados produziram um bando de documentos prévios ao julgamento, trabalhando em um cronograma compactado. Em dezembro, o advogado de Wright produziu 18.669 documentos ao autor.

O caso continua nesta semana com depoimentos de Craig , sua esposa Ramona Watts e Andrew O’Hagan, que entrevistaram Wright longamente para um ensaio na London Review of Books.

Fonte: Coindesk

Foto de Mirian Romão
Foto de Mirian Romão O autor:

Graduada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e Pós-Graduada em Comunicação em Redes Sociais.

mirian_romao