Ripple: Juíza obriga a SEC a produzir documento relacionado ao discurso de Hinman

Ripple
Juíza nega pedido de sigilo em documentos da SEC contra a Ripple – Imagem: The Coin Republic

Juíza magistrada negou novamente o pedido da SEC de proteger documentos de 2018 contra o processo da Ripple

Um juiz magistrado reafirmou ontem que a Securities and Exchange Commission (SEC) deve entregar documentos relacionados ao discurso do ex-comissário Bill Hinman sobre criptomoedas em seu caso contra a Ripple.

Notavelmente, a opinião da juíza magistrada Sarah Netburn acusou ainda o regulador de adotar argumentos para promover seus desejos em vez de aderir à lei.

A SEC abriu um processo contra a empresa de tecnologia de contabilidade distribuída em 2020, quando alegou que a venda de seu token XRP constituía uma oferta de valores mobiliários não registrada. A Ripple recuou desde então, alegando que o XRP não é um título e mirando no que vê como falta de clareza na posição do regulador sobre criptomoedas.

Um discurso de 2018 do ex-diretor da Divisão de Finanças Corporativas se tornou um ponto de discórdia no caso. Nessas observações, Hinman explicou por que ele não considerava Bitcoin e Ethereum valores mobiliários. A Ripple tem procurado obter documentos e comunicações relacionados ao discurso, enquanto a SEC empregou vários argumentos conflitantes na tentativa de protegê-los.

A SEC argumentou primeiro que o discurso consistia nas opiniões pessoais de Hinman sobre criptomoedas, e não em uma política de toda a agência. Mas então, tentou pintar o discurso como parte dos deveres de Hinman na SEC, argumentando que as comunicações eram protegidas pelo privilégio do processo deliberativo. O estatuto protege certas informações que fizeram parte de deliberações internas na elaboração de políticas ou na tomada de decisões.

O Tribunal não se convenceu com ambos os argumentos, decidindo que a SEC teria que apresentar os documentos. Netburn negou o pedido da SEC para reconsiderar a ordem judicial em abril. Naquela época, sua ordem advertiu a SEC por tentar ter as duas coisas.

O regulador de valores mobiliários fez outra tentativa de proteger os documentos em junho, argumentando que o privilégio advogado-cliente se aplicava ao discurso, pois foi desenvolvido com os advogados da SEC como parte dos deveres oficiais de Hinman. Ontem, Netburn também negou, reafirmando que a SEC terá que produzir as comunicações.

Em sua opinião, ela acusa a agência de tentar ter as duas coisas, primeiro argumentando que o discurso era irrelevante, pois refletia opiniões pessoais e, posteriormente, que as provas deveriam ser protegidas porque eram deliberações oficiais da agência.

Esta questão é desnecessariamente complicada pelas táticas de litígio da SEC. A SEC se distanciou do Discurso para evitar a descoberta e procurou impedir o depoimento de Hinman com base em que tudo o que ele disse no Discurso, não tinha nada a ver com a posição da SEC. A hipocrisia em argumentar ao Tribunal, por um lado, que o discurso não é relevante para o entendimento do mercado de como ou se a SEC regulará a criptomoeda e, por outro lado, que Hinman buscou e obteve aconselhamento jurídico do advogado da SEC ao redigir seu discurso, sugere que a SEC está adotando suas posições de litígio para promover seu objetivo desejado, e não por uma fidelidade fiel à lei.

A opinião afirma que está claro que o objetivo das comunicações entre Hinman e o conselho da SEC não era fornecer aconselhamento jurídico ou informar a tomada de decisões da agência, portanto, as comunicações não são protegidas pelos estatutos que a SEC procurou empregar.

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno. Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_