Twitter esboça proibição de propaganda política antes das eleições de 2020 nos EUA

O Twitter anunciou que sua proibição de publicidade política incluirá referências a candidatos e legislação

O site de mídia social também disse que os anúncios não poderão advogar por determinados resultados em causas políticas e sociais. O Twitter anunciou a proibição no mês passado, mas na sexta-feira divulgou mais detalhes específicos da proibição pela primeira vez, que entrará em vigor em 22 de novembro.

“Acreditamos que o alcance da mensagem política deve ser conquistado, não comprado”, disse o executivo-chefe do Twitter, Jack Dorsey, ao anunciar a proibição ontem.

O Twitter disse que definirá conteúdo político como qualquer coisa que faça referência a “candidato, partido político, funcionário do governo eleito ou nomeado, eleição, referendo, cédula, legislação, regulamento, diretiva ou resultado judicial”.

Uma combinação de tecnologia automatizada e equipes humanas será usada para aplicar as novas políticas de anúncios.

Ele ocorre quando as campanhas para as eleições presidenciais dos EUA em novembro de 2020 aumentam em meio à crescente pressão das empresas de mídia social para que apertem as regras dos anúncios que espalham informações falsas e podem influenciar as eleições.

Até agora, o Facebook se recusou a seguir o exemplo do Twitter, apesar de ligações de alguns políticos. A empresa de Mark Zuckerberg disse que não queria sufocar o discurso político e não eliminaria anúncios políticos por alegações enganosas.

O Google também se recusará a impedir anúncios políticos, pois ambos lutaram para moderar a grande quantidade de conteúdo em suas plataformas maiores.

O gerente de campanha de Donald Trump, Brad Parscale, chamou a decisão de “mais uma tentativa de silenciar os conservadores, já que o Twitter sabe que o presidente Trump tem o programa on-line mais sofisticado já conhecido”.

Bill Russo, vice-diretor de comunicações da campanha presidencial do ex-vice-presidente Joe Biden, ficou agradecido pelas medidas do Twitter para impedir que “manchas não comprovadas” aparecessem nos anúncios, mas acrescentou que as empresas de mídia social têm mais trabalho a fazer.

“Estamos ansiosos para ver como a política funciona na prática e pretendemos manter a palavra do Twitter”, disse ele.

*Imagem de: Alex Yomare por Pixabay

Fonte: Citya.m.

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.