Associação Suíça publica regulamentos antilavagem de dinheiro para criptomoedas

Os novos padrões buscam impedir a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo

No dia 18 de outubro a CMTA, Associação Suíça de Mercado de Capitais e Tecnologia, publicou os novos padrões antilavagem de dinheiro (AML) para criptomoedas e outras tecnologias de contabilidade distribuída (DLT).

A CMTA é uma iniciativa conjunta do escritório de Advocacia Lenz & Staehelin, do banco online Swussquote, e do provedor de software Temenos. A organização não possui fins lucrativos, e foi estabelecida no início deste ano em Genebra para promover a adoção de DLTs, tal como o blockchain e criptoativos, no setor financeiro.

De acordo com a associação, os novos padrões buscam “estabelecer (…) medidas a serem tomadas para o cumprimento dos regulamentos nacionais contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo”.

Aparentemente o documento foi dividido em duas partes. A primeira descreve os padrões de conformidade a serem seguidos pelos emissores de ativos digitais, independente de se apresentarem como ICO’s.

Leia mais: Cerca de 100 mil ATMs de Bitcoin podem ser acrescentados nos EUA

Já a segunda está direcionada aos bancos, negociantes de valores mobiliários e diversos outros intermediários que buscam estabelecer relações comerciais com indivíduos ou empresas relacionadas à criptomoedas.

Supostamente, o novo regulamento não possui status regulatório formal. Entretanto, de acordo com a CMTA, o documento representa um consenso entre os especialistas do setor financeiro sobre o estabelecimento de boas práticas no novo setor.

A associação destaca que o documento é uma orientação criada com base em diversas estruturas legislativas.

Leia mais: Órgão antilavagem de dinheiro internacional irá desenvolver regulamentos para criptomoedas até junho

FONTE: COINTELEGRAPH

Foto de Beatriz Orlandeli
Foto de Beatriz Orlandeli O autor:

Simpatizante das criptomoedas, após cursar Arquitetura e Urbanismo, reavivou um antigo gosto pela escrita e atualmente trabalha como redatora do WeBitcoin.

biaorlandeli