Binance congela Ethereum enviado por hackers da Upbit

Binance está colaborando com as autoridades de segurança para recuperar os fundos roubados da Upbit

A Binance, a maior exchange de criptomoedas em termos de volumes negociados, congelou 137 ETH (US$ 27.164) enviados por hackers da Upbit.

Changpeng Zhao, CEO da Binance, reagiu rapidamente a um tweet postado pelo Whale Alert no Twitter acerca do último lote de fundos roubados.

“137 #ETH (27.164 USD) de fundos roubados do hack da Upbit de Nov 2019 transferidos para a #Binance”

 

“Estamos nisso” – prontamente respondeu CZ.

Binance vai investigar a transferência

Segundo a CZ, eles estão atualmente trabalhando com a Upbit e policiais para verificar a natureza maliciosa da transação.

Depois de conduzir uma investigação, a Binance descobrirá como entregar as criptomoedas roubada de volta à Upbit.

Conforme relatado pela U.Today, a principal exchange sul-coreana sofreu um hack de Ethereum de US$ 51,7 milhões em novembro de 2019.

Desde então, os hackers embaralham suas moedas ilícitas rotineiramente, sendo a transferência da Binance o exemplo mais recente.

Tomar uma posição contra “maus atores” da comunidade cripto

Embora CZ admita que alguns usuários de mídia social possam criticar a Binance pelo congelamento de fundos, ele também enfatiza que é importante combater os maus atores (e aqui é preciso deixar claro que os “maus atores” que CZ menciona são elementos que tentam aplicar golpes e roubar moedas de exchanges, grupos ou indivíduos).

“Congelado, trabalhando com a #UpBit para verificar e envolver a aplicação da lei e distribuir os fundos.

 

Esperando alguém reclamar nas mídias sociais sobre congelar fundos. Mas lutar contra os maus atores, nós devemos.”

Em janeiro de 2019, a Binance também congelou as criptomoedas roubadas da agora extinta exchange Cryptopia.

A própria Binance sofreu um hack de US$ 40 milhões em maio de 2019 devido uma vulnerabilidade de segurança.

Fonte: U.Today

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.