Bitcoin não é esquema de pirâmide: veja os motivos

Bitcoin surgiu como um sistema de pagamento descentralizado e transparente

Recentemente, Tendayi Kapfidze, economista-chefe do LendingTree, o maior mercado de empréstimos on-line dos Estados Unidos, chamou o Bitcoin de esquema de pirâmide. Mas ele estava errado e você vai descobrir os motivos.

Nos últimos 11 anos, o Bitcoin percorreu um longo caminho: deixou de ser uma nova invenção desconhecida para se tornar a maior criptomoeda do mundo, com valor de mercado de US$ 130 bilhões. No entanto, apesar de todas as suas conquistas, ainda há muitos que pensam no Bitcoin como um esquema de pirâmide e uma farsa.

Um dos críticos do Bitcoin é Tendayi Kapfidze, que se manifestou contra a criptomoeda ao dar entrevista para o Yahoo Finance. Kapfidze alega que o BTC é um esquema de pirâmide no qual as pessoas só podem ganhar dinheiro dependendo de quantas pessoas entraram no mercado depois delas.

Para Kapfidze, o Bitcoin também não tem utilidade real no mundo.

“Tentam criar uma utilidade para ele há dez anos. É uma solução em busca de um problema e ainda não encontraram um problema para resolver”, afirma Kapfidze.

Como muitos provavelmente sabem, o Bitcoin é um sistema de caixa eletrônico que usa uma rede peer-to-peer (P2P), apresentado em um livro branco em 31 de outubro de 2008. Foi lançado em 3 de janeiro de 2009, quando seu criador, Satoshi Nakamoto, extraiu o Genesis Block.

Ao longo dos anos, o Bitcoin continuou atraindo usuários, traders e investidores. A maioria deles foi seduzida pela ideia de uma rede global, sem fronteiras e descentralizada, que permite a uma pessoa enviar dinheiro a alguém a qualquer momento. Além disso, devido à sua natureza descentralizada, o Bitcoin também aumenta a segurança e a velocidade da transação, pois nenhuma entidade centralizada é responsável por fazê-lo funcionar.

Conforme a popularidade do Bitcoin crescia – e a moeda atingia seu nível mais alto, de US$ 20 mil, no fim de 2017 -, as instituições também começaram a prestar atenção no ativo digital. Elas temiam o potencial da criptomoeda de se tornar mainstream, tirando seus clientes e seu dinheiro.

Embora o Bitcoin não seja perfeito – ainda é jovem e incapaz de escalonar, além de ser altamente volátil -, certamente não é um esquema de pirâmide.

Motivos de o Bitcoin não ser pirâmide

De acordo com a definição da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês), um esquema de pirâmide funciona fazendo com que seus participantes tentem ganhar dinheiro apenas recrutando novos participantes para o programa. A marca registrada desses esquemas é a promessa de retornos altíssimos em um curto período de tempo para não fazer nada além de entregar seu dinheiro e levar outros a fazerem o mesmo.

Não é isso que o Bitcoin faz. O Bitcoin atraiu usuários que procuravam explorar suas mudanças de preço para obter lucros rápidos, mas o projeto nunca convidou a investir apenas para esse fim. O Bitcoin surgiu como um sistema de pagamento descentralizado e transparente que devolve o poder às mãos do povo, em vez de deixá-lo com as poucas instituições que detêm a maior parte do dinheiro do mundo.

O Bitcoin conectou o mundo à rede blockchain e se tornou um dos serviços de remessa global mais eficazes. Como mencionado, ele ainda tem problemas com escalabilidade, caso seus blocos permaneçam muito pequenos para lidar com todas as transações que precisam ser processadas. No entanto, seus desenvolvedores estão trabalhando em soluções, como a Lightning Network, que atualmente está operacional, embora ainda não tenha sido aperfeiçoada. Possui sua própria tecnologia subjacente – a blockchain – e um limite de 21 milhões de unidades, o que pode evitar problemas como inflação. Esse limite é o responsável pelo aumento do preço da criptomoeda, que deve subir devido à demanda.

Enquanto isso, o Bitcoin também desencadeou a criação de inúmeras outras criptomoedas (altcoins), que começaram a desenvolver soluções para uma ampla gama de casos de uso no mundo real. Desde o aprimoramento do gerenciamento da cadeia de suprimentos até o desenvolvimento de soluções inteiramente novas, como contratos inteligentes, a indústria de criptografia já mudou radicalmente o mundo na última década.

* Imagem de Eivind Pedersen por Pixabay
Fonte: Bitcoinist.com

Foto de Simone Gondim
Foto de Simone Gondim O autor:

Jornalista, revisora e roteirista, apaixonada por tecnologia e especializada em conteúdo.

https://www.instagram.com