Investigação do FBI e da polícia australiana leva à apreensão de mais de US $ 1,2 milhão em criptomoedas

Seguindo as informações recebidas do FBI, a AFP prendeu um hacker que vendeu assinaturas roubadas da Netflix e do Spotify.

De acordo com um comunicado da polícia australiana, o hacker condenado é um homem de 23 anos de Sydney. Ele conspirou com um homem nos Estados Unidos para roubar os detalhes de login de clientes do serviço de streaming e depois vendê-los online a um preço mais barato.

O infrator de Sydney se confessou culpado de vários crimes em outubro do ano passado. Posteriormente, a Força-Tarefa de Confisco de Ativos Criminais (CACT) liderada pela AFP obteve ordens de restrição sobre todas as suas contas. Incluindo contas cripto, bancárias e do PayPal com nomes falsos de propriedade do hacker.

De acordo com o relatório, a quantidade de criptomoedas confiscada, mais de AUD1,2 milhões (US$ 902.276), é a maior apreensão de criptomoeda da Commonwealth.

A Polícia Federal australiana começou a investigar depois de receber informações do FBI. O hacker usou um site gerador de contas, chamado WickedGen.com, para vender detalhes das contas roubadas para serviços de assinatura online. Os detalhes da conta pertenciam a vítimas desconhecidas na Austrália e internacionalmente, incluindo os EUA. Este site funcionou por cerca de dois anos, antes da polícia localizar o hacker. Os investigadores de crimes cibernéticos da AFP executaram um mandado em sua casa, onde apreenderam várias evidências.

Durante a investigação, a polícia australiana descobriu que o infrator de Sydney também operava três outros sites semelhantes. Ele converteu parte de seus lucros nesses sites, em várias criptomoedas. Uma acusação do FBI alegou que ele operava um dos sites geradores de contas com outro homem dos Estados Unidos.

A ministra australiana de Assuntos Internos, Karen Andrews, distribuirá os fundos apreendidos para apoiar a prevenção do crime, a aplicação da lei e iniciativas relacionadas à segurança da comunidade.

“O bom trabalho da AFP fez com que um criminoso fosse despojado de seus ganhos ilícitos e esse dinheiro redirecionado para melhorar a segurança e a proteção das comunidades ao redor da Austrália”, disse ela.

A Polícia Federal Australiana sobre criptomoedas no cibercrime.

A Comissária Assistente da Polícia Federal Australiana, Justine Gough, falou sobre o uso de criptoativos em crimes cibernéticos. De acordo com ela, os criminosos acreditavam erroneamente que os agentes da lei não poderiam confiscar seu dinheiro se convertessem em criptomoedas.

“O CACT liderado pela AFP perseguirá implacavelmente ativos obtidos criminosamente em qualquer forma que forem encontrados – seja em dinheiro, contas bancárias, casas, carros de luxo ou criptomoedas”, disse a Comissária assistente.

 

Fonte: Bitcoinist

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8