Não queremos bancos locais envolvidos com criptos, diz Banco da Tailândia

As criptos são altamente voláteis e os bancos locais não devem se aprofundar no assunto, de acordo com o Banco da Tailândia.

O banco central da Tailândia supostamente exortou as instituições financeiras locais a ficarem longe de criptomoedas, citando riscos provenientes de sua maior volatilidade. Ele acrescentou que o amplo emprego de bitcoin e altcoins também poderia impactar a capacidade do Banco da Tailândia de monitorar a economia nacional.

De acordo com uma cobertura do The Bangkok Post, o Banco da Tailândia (BoT) não quer que os bancos locais se envolvam diretamente no comércio de ativos digitais. Chayawadee Chai-Anant – Diretor Sênior da instituição – opinou que lidar com bitcoin e moedas alternativas apresenta riscos significativos para o público, uma vez que os ativos são bem conhecidos por suas flutuações de preço:

“Não queremos que os bancos se envolvam diretamente na negociação de ativos digitais porque os bancos são responsáveis ​​pelos depósitos dos clientes e do público, e há um risco.”

Embora a volatilidade no espaço esteja realmente presente, também é importante notar que as criptomoedas são ativos relativamente novos. Como tal, muitos especialistas acreditam que poderiam superar as oscilações acentuadas de preços no futuro próximo. Por exemplo, Google, Amazon e Facebook também enfrentaram problemas de volatilidade em seus primeiros anos de existência, mas agora são gigantes em seus campos.

Na semana passada, o Banco da Tailândia fez outro alerta. Naquela época, o Diretor Sênior do BoT – Sakkapop Panyanukul – disse que se as criptomoedas forem amplamente utilizadas, isso pode afetar a capacidade do banco central de supervisionar a rede financeira do país. O executivo acrescentou que os riscos na indústria de ativos digitais vêm do fato de que existem “moedas em branco”, que não são respaldadas por outros ativos mais seguros.

Posteriormente, o BoT revelou que está atualmente colaborando com outras agências sobre maneiras de regulamentar a indústria de criptomoedas.

Criptoativos podem impulsionar o GDPbank da Tailândia

No final do mês passado, Jirayut Srupsrisopa – fundador e CEO da exchange de criptomoedas Bitkub – pediu às autoridades da Tailândia que, comecem a se aprofundar no espaço de ativos digitais. Com isso, o país poderia multiplicar seu PIB por seis, opinou.

O país do Sudeste Asiático é um dos mais visitados globalmente, pois seu setor de turismo era responsável por cerca de 20% do Produto Interno Bruto antes da pandemia. Além disso, muitos preferem viver na “Terra dos Sorrisos”, pois oferece um clima tropical, praias de areia branca e um custo de vida relativamente baixo.

Tendo isso em mente e o fato de que a indústria de ativos digitais criou muitas pessoas com capacidade financeira significativa, Srupsrisopa aconselhou a, Autoridade de Turismo da Tailândia (TAT), a abandonar o marketing tradicional e atrair alguns desses ricos investidores de criptoativos.

Fonte: CryptoPotato

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8