Walmart interrompe venda de munição nos EUA por conta de tiroteios em série

Empresa pede aos compradores que não portem armas de fogo abertamente, mesmo quando legais, após uma série de tiroteios em massa nos Estados Unidos

O Walmart diz que interromperá a venda de munição de pistola e também solicitará publicamente que os clientes evitem portar armas de fogo abertamente nas lojas, mesmo onde as leis estaduais permitirem.

O anúncio acontece poucos dias depois de um tiroteio em massa ter matado sete pessoas em Odessa, no Texas, além de dois outros tiroteios consecutivos no mês passado, um deles em uma loja do Walmart.

O distribuidor de Bentonville, no Arkansas, disse na terça-feira que deixaria de vender munição para cano curto e pistola depois que o estoque atual estivesse acabando. Também interromperá as vendas de armas de fogo no Alasca, marcando sua saída completa das armas de mão e permitindo que ele se concentre apenas em rifles de caça e munições relacionadas.

“Temos uma longa tradição como empresa de servir caçadores, esportistas e mulheres responsáveis, e continuaremos a fazê-lo”, diz o memorando do CEO do Walmart, Doug McMillon, que será distribuído aos funcionários na terça-feira à tarde.

O Walmart está solicitando ainda que os clientes se abstenham de portar abertamente armas de fogo em suas lojas, a menos que sejam policiais. No mês passado, um atirador entrou em uma loja do Walmart em El Paso, Texas, e matou 22 pessoas usando uma arma de fogo estilo AK cuja venda o Walmart já proíbe. O Texas se tornou um estado de porte aberto em 2016, permitindo que as pessoas portassem abertamente armas de fogo em público.

As medidas do Walmart reduzirão sua participação no mercado de munição de cerca de 20% para um intervalo de cerca de 6% a 9%, de acordo com o memorando citado acima. Cerca de metade de suas mais de 4.000 lojas americanas vendem armas de fogo.

A maior loja varejista do país vem enfrentando crescente pressão de ativistas, funcionários e políticos de controle de armas para mudar suas políticas após o tiroteio em El Paso e um tiroteio não relacionado em Dayton, Ohio, que matou nove pessoas. Alguns dias antes disso, dois trabalhadores do Walmart foram mortos por outro trabalhador em uma loja em Southaven, Mississippi.

Após o tiroteio em El Paso, o Walmart ordenou que os trabalhadores removessem placas e displays de videogame que mostrassem violência nas lojas de todo o país. Mas isso ficou aquém das demandas para o varejista parar de vender armas de fogo completamente. Os críticos também queriam que o Walmart parasse de oferecer suporte a políticos apoiados pela National Rifle Association.

Walmart em situação complicada

A empresa há muito tempo se encontra em um local estranho com seus clientes e entusiastas de armas. Muitas de suas lojas estão localizadas em áreas rurais, onde os caçadores dependem do Walmart para obter seus equipamentos. O Walmart está tentando seguir uma linha tênue, buscando abraçar sua herança de caça e ser um varejista mais responsável.

Com sua nova política de transporte aberto, McMillon sinalizou no memorando que indivíduos tentaram fazer uma declaração carregando armas em suas lojas apenas para assustar trabalhadores e clientes. Contudo, ele acrescentou que existem clientes bem-intencionados agindo legalmente que também inadvertidamente fizeram com que uma loja fosse evacuada e que a polícia local fosse chamada a responder.

Ele disse que o Walmart continuará tratando “os clientes cumpridores da lei com respeito” e terá uma “abordagem sem confronto”.

O Walmart diz que espera usar seu peso para ajudar outros varejistas, compartilhando suas melhores práticas, como o software usado para verificação de antecedentes. A empresa que em 2015 parou de vender armas de assalto como os fuzis AR usados ​​em vários tiroteios em massa, pediu mais debates sobre a reautorização da proibição de armas de assalto. McMillon diz que o Walmart enviará cartas à Casa Branca e à liderança do congresso pedindo ação sobre “medidas de bom senso”.

“Em uma situação complexa, sem uma solução simples, estamos tentando tomar medidas construtivas para reduzir o risco de eventos como esses voltarem a acontecer”, escreveu McMillon em seu memorando. “O status quo é inaceitável.”

A National Rifle Association (NRA) foi rápida em criticar a decisão do varejista. “É vergonhoso ver o Walmart sucumbir à pressão das elites anti-armas”, afirmou em comunicado divulgado na terça-feira.

Nos últimos 15 anos, o Walmart havia se expandido além de suas raízes de caça e pesca, carregando itens como rifles de assalto em resposta ao aumento da demanda. Mas particularmente desde 2015, muitas vezes coincidindo com grandes tiroteios em massa, a empresa tomou medidas para coibir a venda de munição e armas.

O Walmart anunciou em fevereiro de 2018 que não venderia mais armas de fogo e munições para menores de 21 anos e também removeria itens semelhantes a rifles de assalto em seu site. Essas medidas foram motivadas pelo tiroteio em massa em uma escola em Parkland, Flórida, que matou 17 pessoas.

Em 2015, o Walmart parou de vender armas semiautomáticas como o fuzil AR-15, o tipo usado no tiroteio de Dayton. A empresa também não vende mais revólveres (exceto no Alasca) nem armas de fogo estilo AK, usada pelo atirador de El Paso.

*Imagem de: Brett Hondow por Pixabay

Fonte: The Guardian

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.