Autoridades registram mais um caso de prisão por roubo de eletricidade para mineração de criptomoedas

Os acusados causaram um prejuízo de mais de US$250.000

Casos de roubo de energia para a mineração de criptomoedas se tornaram muito comuns recentemente.

A última ocorrência registrada foi na cidade alemã de Klingenthal, onde as autoridades prenderam um grupo de suspeitos pelo roubo de eletricidade para operar toda uma fazenda de mineração.

Aparentemente os policiais conseguiram rastrear um sistema de 49 computadores operando nas antigas instalações da PGH Eletktro, empresa de serviços de energia. Desde pelo menos 2017, a instalação consumiu uma quantidade de energia equivalente a 30 residências, registrando um dano de mais de US$250.000 para o fornecedor.

De acordo com o FreiePresse, 30 dos 49 aparelhos eram equipados com um harware especial, com total de 80 GPUs instalados. Durante a apreensão, a polícia deteve cinco homens e uma mulher.

Em dezembro de 2018 um taiwanês foi preso por suspeita de roubo de mais de US$3 milhões em energia para minerar Ethereum e Bitcoin. O acusado minerou em torno de US$14,5 milhões em criptomoedas. Aparentemente, o taiwanês contratou eletricistas para reconectar as instalações de modo a evitar a detecção de roubo de energia e a medição de eletricidade.

No mês de outubro, um chinês foi condenado a 3 anos de prisão por roubar energia de uma estação de trem para minerar Bitcoin. O homem ainda foi acusado de roubar eletricidade de uma fábrica em novembro e dezembro de 2017 para alimentar 50 máquinas de mineração e 3 ventiladores elétricos.

Em maio foi relatado que alguns funcionário da sede da Polícia Nacional da Ucrânia supostamente utilizaram o ambiente de trabalho para minerar por quatro meses. Um investigador local confiscou oito GPUs, seis unidades de alimentação, dois discos rígidos, uma placa-mãe e uma unidade de sistema de computador completa.

FONTE: COINTELEGRAPH