Banco da Reserva da Índia considera emitir sua própria criptomoeda

O Banco da Reserva da Índia (RBI) anunciou que está buscando emitir sua própria criptomoeda, após uma reunião do Comitê de Políticas Monetárias (MPC), conforme uma Declaração Sobre Políticas de Desenvolvimento e Regulamentação publicada ontem, 5 de abril.

Leia mais: Paquistão proíbe bancos de negociar criptomoedas e ICOs

O RBI criou um grupo interdepartamental para investigar as potenciais vantagens e viabilidades de criar sua própria criptomoeda, cujas descobertas serão submetidas em um relatório a ser emitido em junho deste ano, relata a declaração.

“Inovações tecnológicas, incluindo moedas virtuais, têm o potencial de melhorar a eficiência e a inclusão do sistema financeiro,” disse o vice-presidente do RBI, B. P. Kanungo, ao The Times Of India nesta quinta-feira.

A ideia do Banco da Reserva de criar sua própria criptomoeda surgiu mesmo com a sua proibição emitida a todas as entidades reguladas, no sentido de não prover mais serviços aos usuários, tradersholders de criptomoedas.

A posição da entidade financeira — favorável à emissão de uma moeda virtual estatal e contra a circulação de moedas descentralizadas — faz parte de uma grande tendência que tem sido adotada pelos bancos centrais, em sua tentativa de policiar este avanço digital.

Uma solução para as preocupações dos bancos centrais, como lavagem de dinheiro, é a co-optação da tecnologia blockchain pelas próprias instituições financeiras, conforme Kanungo enfatizou ontem:

“Nós reconhecemos que a tecnologia blockchain apresenta grandes benefícios para o setor financeiro, e nós acreditamos em sua exploração visando beneficiar a economia.”

Leia mais: 14% dos jovens profissionais japoneses possuem criptomoedas

Fachada do Banco da Reserva da Índia

No início de 2016, o Banco da Inglaterra e o Banco Popular da China exploraram a ideia de emitirem suas próprias moedas digitais, com mais de 90 bancos centrais do mundo todo passando a investigar a tecnologia de livros contábeis distribuídos. Em 2017, o Banco do Canadá publicou uma pesquisa sobre os benefícios destas moedas digitais emitidas por bancos centrais (CBDC), e já nos primeiros meses de 2018 bancos centrais na Malásia, Taiwan, Polônia, Suíça e outros países já anunciaram suas considerações sobre sistemas baseados em blockchain.

Nesta semana, um pesquisador da R3 chacoalhou um painel no evento Deconomy, realizado na Coreia do Sul, com sua previsão de que as CBDCs serão implementadas ainda neste ano.

E você, o que acha da centralização de uma tecnologia inicialmente criada para ser “livre”? 

Leia mais: Suspeita de Pirâmide Financeira, Minerworld lança novo sistema de Captação de Pessoas, nova Moeda e Plano de Quitação

Fonte: The Cointelegraph