Calibra do Facebook não se trata apenas de dinheiro – é sobre sua identidade

Crônica do economista David Birch apresenta a Calibra, do Facebook, de uma forma mais astuta do que costumamos perceber

Quando estava lendo a descrição da criptomoeda Libra, do Facebook, não encontrei nada notável. Até chegar ao fim. Na última página do white paper que apresentou a Libra, notei que “[um] objetivo adicional da associação [Libra] é desenvolver e promover um padrão de identidade aberto. Acreditamos que uma identidade digital portátil e descentralizada é um pré-requisito para a inclusão financeira e a competição. ”

Bem, bem. Um padrão de identidade aberto.

Esqueça a criptomoeda (que nunca será lançada em sua forma atual). A identidade está no coração da proposição da Libra. Uma das primeiras perguntas que o Congresso dos EUA fez para o co-criador da Libra, David Marcus, em uma audiência em julho, foi como as partes garantirão que o usuário ou proprietário de uma moeda ou carteira seja identificado com precisão.

A pergunta já havia sido respondida por Kevin Weil, vice-presidente de produtos do Facebook para a carteira Calibra, onde estava claro que os usuários da Calibra teriam que enviar uma identificação emitida pelo governo para comprar tokens Libra, como seria de se esperar.

É claro que em uma transação da Libra o endereço da carteira, o valor da transação e o carimbo de data e hora serão públicos porque estão em um livro compartilhado, mas, como a Libra deixou claro, qualquer informação relacionada à lavagem de dinheiro ou regulamentos de “conheça seu cliente [KYC]” (ou seja, a ligação dessas carteiras a pessoas e empresas do mundo real) serão armazenadas pelos fornecedores de carteiras, incluindo a Calibra do próprio Facebook.

Como a Libra está aberta e qualquer pessoa poderá se conectar à rede e criar uma carteira, pode dessa maneira haver muitas, muitas carteiras. Mas você deve suspeitar que a Calibra estará na pole position na corrida pela escala populacional; portanto, a abordagem da Calibra à identidade é muito, muito importante.

Agora, se a Calibra fornecer uma maneira de converter uma variedade de IDs emitidos pelo governo em um ID interoperável padrão, isso será de grande valor. Muitas outras pessoas (por exemplo, bancos) podem querer usar o mesmo padrão.

No Reino Unido, por exemplo, essa seria uma maneira de cumprir a nova meta da Unidade de Identidade Digital (DIU).Mas não é apenas o ID que precisa de interoperabilidade; são as credenciais que acompanham. É assim que você constrói uma economia de reputação.

Sua carteira Calibra pode armazenar sua credencial “IS_OVER_18 [maior de 18 anos]”, sua classificação no Uber e seu cartão de fidelidade de companhias aéreas de forma a torná-las úteis.

Então, se você quiser se registrar em um site de namoro, poderá fazer login usando a Calibra e ela poderá apresentar automaticamente a credencial relevante ou informar como obtê-la de um parceiro Libra (como MasterCard).

Parece-me que, com o tempo, esse pode ser o aspecto mais importante da iniciativa “Facebucks” (como não posso resistir a chamá-lo). E se uma carteira Calibra se tornar um ativo crucial para muitas pessoas da população mundial, não porque contém dinheiro, mas porque contém identidade?

Se eu conseguir uma carteira Calibra apresentando meu passaporte, tudo bem. Mas suponha que eu moro em um país em desenvolvimento e não tenho passaporte ou documento de identidade formal de qualquer tipo? Bem, acho que, no futuro, o Facebook poderá argumentar que seu perfil no Facebook é um substituto mais do que adequado.

Afinal, o Facebook sabe para quem eu envio mensagens, meu catálogo de endereços do WhatsApp, com quem eu saio, para onde vou … O Facebook pode distinguir perfis reais de falsos, até porque mata “identidades” falsas o tempo todo.

Meu palpite é que, se você tiver um perfil no Facebook por um certo período de tempo, essa identidade poderá ser mais do que suficiente para poder abrir uma conta para manter Libra com um certo valor – e é bom que a sociedade traga essas pessoas e suas transações no sistema financeiro.

Francamente, em grandes partes do mundo, o Know-Your-Customer (KYC) pode ser substituído por Known-by-Zuck (KYZ).

Texto adaptado de: Wired

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.