Criptomoedas como arma contra a inflação

As criptomoedas podem se tornar uma alternativa à moeda com curso legal onde os estados são atormentados por alta inflação.

Existem vários exemplos de tais tentativas em todo o mundo, mais ou menos bem-sucedidas.

Zash, a criptomoeda anti-inflação no Zimbábue

Um caso em questão é Zash. É a abreviação de Zimbocash, uma criptomoeda que pretende se tornar um meio de pagamento popular no Zimbábue, contrariando assim a hiperinflação que o país vem experimentando há anos.

Desde 2015, o país se desfez do dólar zimbabuense para usar apenas o dólar americano ou o rand sul-africano.

Para ilustrar o quão elevada foi a inflação, basta saber que 175 milhões de dólares zimbabweanos foram trocados por 5 dólares americanos.

Para contrariar este desequilíbrio, nasceu o Zimbocash. É uma criptografia descentralizada baseada no blockchain Tron. Ele tem um suprimento fixo de 4,5 bilhões de tokens. Seu objetivo é se tornar um meio de pagamento.

Os usuários que se cadastram na plataforma oficial recebem tokens, que podem gastar ou vender (Zash está listado no Bithumb). No entanto, o sistema visa incentivar seu uso como meio de transferência de dinheiro, longe da dinâmica desastrosa das moedas fiduciárias do Zimbábue.

O sonho de seus promotores é fazer com que a Zash coexista com as moedas locais, tornando-se complementar a elas.

Recentemente, o ministro da economia local, Mthuli Ncube, disse ser a favor do uso de criptomoedas. Em sua opinião, podem ser a solução para reduzir o custo das remessas. No entanto, nada sugere que o governo opte então pelo Zimbocash.

O caso da Venezuela e o experimento Petro

A Venezuela tentou com a Petro combater sua inflação. Não que tenha conseguido, mas a intuição de Maduro certamente tornou possível usar Petro em vez de outras criptomoedas. De acordo com algumas pesquisas, o Petro é mais conhecido e usado do que o Bitcoin (Na Venezuela).

Embora haja dúvidas se o Petro é realmente sustentado por grandes quantidades de petróleo (razão do nome), parece que a criptomoeda está ganhando popularidade na Venezuela, ao lado da moeda local, o bolívar.

El Salvador, onde o Bitcoin coexiste com o dólar

Se a Venezuela optou por sua própria criptomoeda para se espalhar entre a população, El Salvador escolheu o Bitcoin. Desde 7 de setembro, o BTC coexiste como meio de pagamento com o dólar americano (El Salvador não tem mais moeda própria, que também foi morta pela hiperinflação anos atrás).

A escolha do presidente Bukele foi ditada pela necessidade de encontrar um sistema para fortalecer sua frágil economia. Com a introdução do Bitcoin, o presidente estima que economizará para seus concidadãos até US $ 400 milhões em custos de comissão por ano incorridos ao fazer remessas. Para um país de 6,4 milhões de habitantes, isso não é pouca coisa.

Criptomoedas e inflação: considerações finais

Bitcoin e criptomoedas estão provando ser um sistema alternativo à inflação e útil na melhoria das condições econômicas. Os casos de El Salvador e da Venezuela o comprovam.

No entanto, ainda há muito ceticismo a superar . Estados fortes, em vez de permitir a propagação da criptomoeda, estão trabalhando em suas próprias moedas digitais ( CBDCs ). Os mais fracos estão mais abertos às criptomoedas, embora procurem uma forma de controlá-las, desconsiderando a natureza descentralizada.

O que surge é um verdadeiro desafio em andamento que pode alterar a forma como o dinheiro é entendido.

Fonte: Cryptonomist

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno.Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_