Os NFTs revolucionando a nova geração da música

Esses tokens podem fornecer experiências e conexões inovadoras para os fãs.

Vídeos curtos com trechos de músicas e prints de tweets antigos sendo vendidos por milhões de dólares, casas virtuais e autorretratos de robôs inteligentes sendo leiloados por valores exorbitantes. Tudo isso pode parecer um pouco fora da nossa realidade, mas graças à tecnologia NFT, isso está acontecendo e vem ganhando cada vez mais força.

A indústria da música mudou fundamentalmente desde que o streaming de música chegou. Hoje, bilhões de ouvintes têm acesso a serviços de streaming, como Spotify e Apple Music. O streaming é de longe a maior fonte de receita de música gravada.

O mercado global de streaming de música deve atingir US $ 23 bilhões em 2021 e deve crescer US $ 7 bilhões durante 2021-2025. Um pequeno número de plataformas de streaming centralizado ainda domina o mercado, e as grandes gravadoras se concentram na camada superior absoluta de artistas.

Ao mesmo tempo, o crescimento é impulsionado por artistas independentes. Nunca antes foi tão fácil produzir e distribuir sua música. No entanto, a competição é feroz. Nos últimos dias, você pode ter visto por aí o termo NFT relacionado à música e ficado confuso tentando entender do que se trata.

A ideia é relativamente nova e vem se popularizando dentro da indústria musical depois que o DJ e produtor 3LAU arrecadou mais de 11 milhões de dólares usando esse recurso.

Ele se uniu com o animador e artista visual Mike Parisella para criar o projeto SSX3LAU, onde criam obras audiovisuais que são vendidas através da tecnologia NFT.

Benefícios para artistas.

Um NFT é uma prova digital de propriedade, com todas as ações executadas nele armazenadas como um registro em um livro razão de blockchain imutável. Um dos principais recursos dos tokens não fungíveis é sua exclusividade. Não pode haver dois NFTs idênticos.

Outra vantagem da negociação de bens através dessa tecnologia é o fato de que o NFT pode ser codificado para que o artista receba sempre uma porcentagem do valor no caso de revenda. Isso permite que essas vendas sejam centralizadas na mão do produtor do conteúdo e não na de gravadoras ou empresas terceiras, dando assim uma maior liberdade e valor ao artista.

O que tem acontecido na prática é o acesso exclusivo a alguns materiais raros e/ou desenvolvidos especialmente para serem vendidos dessa forma. No caso de 3LAU, como conta a Stereogum, alguns dos compradores adquiriram “produtos” como o direito de gravar uma música com ele (por “apenas” 3 milhões de dólares) e a gravação original do disco Ultraviolet (2018).

O caso é ótimo para análise do que representa, de fato, essa tecnologia. Ultraviolet não é um disco raro ou qualquer coisa do tipo, ele está disponível em todas as plataformas de streaming e a edição NFT não tem nada além do que aparece nos serviços.

Ainda assim, ser o único dono das gravações originais é o tipo de coisa que pode ser apelativa para alguns fãs. Seja pela paixão pela música em si ou pelo direito de se gabar que vem com a exclusividade, quem sai lucrando com toda essa história é o artista, que também arrecadou 3 milhões de dólares nessa venda.

Outro exemplo que se torna fácil para entendermos porque a tecnologia está caminhando positivamente para o lado da música, é o Don Diablo, que anunciou a venda de um NFT que quebrou as barreiras digitais, criando um híbrido entre o mundo real e virtual, ele criou um gabinete físico com um cartucho, que ao ser inserido revela um holograma que representa o seu primeiro teclado, comprado ainda na infância. E além disso, ele contém uma música na qual ele vem trabalhando há mais de 19 anos, considerada a sua obra prima e nunca antes mostrada para alguém, o item foi vendido por 170 mil euros (aproximadamente um milhão de reais).

Artistas como Flume e Deadmau5 também entraram no jogo. O criador da label mau5trap se uniu ao artista OG Slick para lançar uma coleção de peças que incluem tracks ainda não lançadas de seu próximo álbum. Flume anunciou o lançamento de Saccade, o primeiro de uma série de NFTs em parceria Jonathan Zawada, artista responsável pela criação e direção de arte de quase todos os materiais do produtor.

Futuro do NFT na música.

Enquanto alguns dizem que o NFT chega para basicamente transformar o mercado da música e da arte em geral, em um mercado onde pessoas muito ricas podem (também) dominar algo que era acessível democraticamente, outros enxergam uma nova valorização da arte sem prejudicar a experiência inicial, como no caso de 3LAU, cujo disco segue disponível para audição no formato normal, mas as masters agora têm um único dono.

A discussão remete bastante ao que vem acontecendo na indústria da moda, com os famigerados drops de marcas como Supreme e Yeezy. Roupas que muitas vezes não são vistas pela população geral como interessantes ganham preços exorbitantes devido à sua exclusividade, transformando algo simples em uma arte de valor inestimável e único.

O fato é que usar uma tecnologia como a de criptomoedas para isso ajuda a reviver o conceito de escassez que tornou a arte “convencional” tão valiosa. Da mesma forma que um quadro de Picasso ou Van Gogh vale milhões por sua exclusividade, uma música ou uma arte exclusiva negociada como NFT pode repetir esse conceito de maneira digital graças à tecnologia que o protege e o torna único.

A conexão do mundo moderno.

Os NFTs também mudam a maneira como os artistas interagem com os fãs. Os fãs não apenas estarão dispostos a apoiar seus criadores favoritos de uma nova maneira, mas o criador também pode fornecer vários benefícios específicos do NFT.

Quase tudo pode ser tokenizado. Faixas de música, arte digital, pedaços de texto, aplicativos, arquivos e até objetos físicos da vida real – como ingressos para shows ou mercadorias exclusivas – podem ser acompanhados por seus próprios NFTs. Assim, permitindo que artistas e criadores de conteúdo entreguem novas experiências para sua base de fãs.

É claro que os NFTs ainda estão engatinhando, mas conforme a tecnologia for aprimorada, eles alcançarão as massas. Dito isso, os NFTs oferecem benefícios genuínos para artistas e fãs. Portanto, embora as pessoas fora do espaço cripto ainda não sintam a necessidade de NFTs, elas devem ficar de olho nessa tecnologia.

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8